Sinopse: O namorado de Tilly Cole acaba de se mudar do flat deles com metade de suas coisas. Sem nada para prendê-la, Tilly decide rapidamente morar mais perto de sua melhor amiga, Erin, em um vilarejo minúsculo em Cotswolds. Lá, Tilly é contratada no mesmo momento como faz-tudo em uma empresa de design de interiores. Para sua surpresa, a cidade pequena transborda escândalo, sexo, fofoqueiros e boatos, focados basicamente em Jack Lucas, o homem lindo de muita classe e melhor amigo de seu chefe. Todos falam para Tilly ignorar o encanto por Jack, que ela será apenas outra em sua cama se ela se deixar levar; mas Tilly, que trabalha ao lado de Jack, enxerga uma parte carinhosa e cuidadosa dele que não é revelada à cidade. É impossível que ele seja a mesma pessoa de quem todos falam. Ou é possível? Tilly deve separar os fatos da ficção e seguir seu instinto neste divertido romance moderno. Primeiro Capítulo.

Ficha Técnica

Dizem por Aí - Jill Mansell - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

Titulo Nacional: Dizem por Aí – Skoob 

Titulo Original: Rumor has It – Goodreads

Autor(es): Jill Mansell

Tradução: Sayuri Arakawa

Editora: Novo Conceito

Ano: 2012

ISBN: 978-85-8163-013-7

Número de páginas: 430

Sobre a Autora

Dizem por Aí - Jill Mansell - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

Jill Mansell já vendeu mais de cinco milhões de livros ao redor do mundo. A autora best-seller cresceu em Cotswolds e estudou na Escola William Romney em Tetbury. Depois de trabalhar no Burden Neurological Hospital em Bristol por muitos anos, em 1992, ela tornou-se uma escritora em tempo integral. Ela mora com seu companheiro e seus filhos em Bristol.

  • Booktrailer

    Opinião da Nathy

    Não sou uma pessoa muito fã de livros baseados no humor, porém estou tentando modificar a minha visão no que se refere a alguns livros, por isso resolvi arriscar e ler Dizem por Aí, meu único arrependimento foi de não ter lido antes, a história contada são de três mulheres que passam por situações bem diversas, mas que não fogem da nossa realidade, acredito que isso tenha sido uma das coisas que me prendeu tanto no livro. Não ri do começo ao fim, mas tiveram alguns momentos que não podia controlar a risada, tudo e descrito de uma forma tão leve que apesar do livro ser grande e a letra pequena li em poucas horas.

    No começo a narrativa ficou um pouco confusa, não conseguia identificar se estava sendo em primeira pessoa ou terceira, porque da forma que estava sendo escrita parecia que a principal estava narrando, porém logo percebia que estava em terceira, assim que me acostumei com o modo de escrita não se tornou um problema. Ás vezes isso atrapalha mesmo o leitor, por isso um autor tem que decidir que será inteiro em primeira pessoa ou em terceira, ainda que não agrade a todos não tem como ficar misturando o tipo de narrativa.

    -Mas havia algo diferente, ela podia sentir. Ela sabia.

    [/note]

    A primeira história de Tilly aconteceu de uma forma que realmente não esperava, jurava que alguma coisa fosse acontecer com Gavin ou que ela ficaria presa de alguma forma presa ao passado, mas a personagem é realmente leve e cativante, vivendo um dia de cada vez e tentando ao máximo não se preocupar em como suas atitudes podem afetar seu futuro. Não foi o tipo de mocinha que me fazia ter vontade de bater por ser muito ingênua, Tilly é simplesmente hilária e de alguma forma luta por suas ideias e convicções, me identifiquei um pouco com ela porque tomaria as mesmas decisões que elas, para não me machucar depois eu costumo desviar de situações de risco.

    Para a cidade pequena que Tilly se muda mora sua melhor amiga Erin, um doce de mulher que após a mãe morrer assumiu sua loja e passa os dias vendendo roupas e acessórios, estava torcendo demais por ela para que no final acabasse sendo feliz ao lado de algum homem que a amasse de verdade. A paciência com a qual age com as pessoas é o tipo de atitude que gostaria de ter, pois mesmo com Stella, uma personagem insuportável, fazendo tanto mal para ela em um determinado ponto do livro Erin se volta e a ajuda, como disse não sei se teria a mesma posição dela, mas fiquei feliz de ver o quão boa ela era e o seu final foi lindo.

    -Talvez? Se você está desesperadamente apaixonada por alguém e leva um fora, você tem que chorar - Erin lambeu a colher e a apontou para Tilly - Você tem que chorar dia e noite

    Ao se mudar para essa cidade Tilly tem que ter um emprego ainda que não seja os dos seus sonhos, mas é nele que conhece pessoas ainda mais engraçadas, sedutoras e que tem um passado realmente tocante. Começo falando de Max o homem que emprega Tilly em sua casa, no começo jurava que os dois teriam um relacionamento, mas essa ideia logo foi descartada e não ficou no clichê de sempre o que me agradou demais. Lou é a filha adolescente de Max que se coloca nas situações mais engraçadas de todas, confesso que me identifiquei demais com a personagem justamente porque na minha adolescência tinha meninos que me perturbavam e saia no tapa com eles sem problemas, ainda que não pelo menos motivo que de Lou, somente gostaria que tivesse tido algum par romântico.

    Vocês devem estar se perguntando sobre a mãe dela, Kaye é uma atriz famosa em Los Angeles que diante de um fato inusitado vê sua carreira ir por água abaixo, mas ela continuou sendo uma pessoa alegre e de certa forma mais adolescente que a Lou, em um determinado ponto do livro fiquei pensando no que ela faria diante de uma decisão tão importante e me deixou muito satisfeita saber que ela nesse instante soube agir como uma mulher madura e tomar a decisão correta.

    -É verdade. Estava me escondendo nos vãos das portas... Usando um bigode falso... Tudo inútil. Foi como ser perseguido por um cão de caça

    [/note]

    Por fim, mas não menos importante, pelo contrário um dos mais importantes personagens do livro, Jack, o melhor amigo de Max e, portanto, tem um contato direto com Tilly, os dois juntos é aquele relacionamento que pega fogo e logo faz o leitor soltar gargalhadas. Ele tem um passado realmente complicado que o machucou de uma forma muito grande, é muito mais fácil brigar com um personagem que fica preso em uma situação quando a mulher é uma pessoa horrível, mas no caso dele dava para entender perfeitamente porque sente tanto medo e tem esse tipo de comportamento. Estava torcendo demais para que os dois ficassem juntos.

    -Bem, você está aqui agora. E Max e eu trabalhamos juntos ás vezes, então tenho certeza de que vamos nos ver em outras circunstâncias

    Quote Favorito

    Dizem por Aí - Jill Mansell - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

    Capa e Diagramação

    Dizem por Aí - Jill Mansell - #Resenha | OBLOGDAMARI.COMAcho que vocês já estão ficando cansados de lerem na maioria das minhas resenhas o quanto gostei da capa de um livro, mas é impossível dizer alguma coisa de ruim com tanto cuidado e capricho da parte da editora. A forma leve e limpa da capa demonstra muito que acontece nos livros, sem contar que se visse essa capa e a americana uma ao lado da outra em uma livraria com toda a certeza sem nenhuma hesitação iria pegar a com a capa nacional. Já a diagramação é simples, tendo uma divisória quando a cena muda no mesmo capítulo, cada um dos capítulos inicia em uma nova página, somente acho que a autora deveria ter escrito em cima sobre quem estava sendo aquela parte do livro.

    Nota da Nathy

    Dizem por Aí - Jill Mansell - #Resenha | OBLOGDAMARI.COMDizem por Aí - Jill Mansell - #Resenha | OBLOGDAMARI.COMDizem por Aí - Jill Mansell - #Resenha | OBLOGDAMARI.COMDizem por Aí - Jill Mansell - #Resenha | OBLOGDAMARI.COMDizem por Aí - Jill Mansell - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

    Onde Comprar

    • Dizem por Aí – Submarino | Saraiva | Americanas | Martins Fontes
    • Dizem por Aí (E-book)Saraiva
    “O livro é uma cortesia da Editora Novo Conceito. A resenha realizada aponta os pontos positivos e\ou negativos de forma sincera, encontrados pela autora do post durante a leitura do livro. A opinião da autora é pessoal e independente da editora.”