Tamanho 42 não é gorda – Meg Cabot – #Resenha

Home/Livros, Meg Cabot, O Blog da Mari, Resenhas, Tamanho 42 não é gorda/Tamanho 42 não é gorda – Meg Cabot – #Resenha

Sinopse: Neste novo sucesso, Meg Cabot nos apresenta Heather Wells, uma cantora pop que chegou a um ponto nada desejado de sua carreira artística: o fundo do poço. Nenhuma gravadora se interessa por suas músicas, o pai está atrás das grades e a mãe fugiu para Buenos Aires com todo o seu dinheiro… Mas, quando Heather arruma um trabalho de inspetora em uma faculdade, tudo muda… ou, pelo menos, é o que parece.

Ficha Técnica

Tamanho 42 não é gorda – Meg Cabot – #Resenha | OBLOGDAMARI.COMTitulo Nacional: Tamanho 42 não é gorda – Skoob

Titulo Original: Size 12 is not fat – Goodreads

Autora: Meg Cabot

Tradução: Ana Ban

Editora: Galera Record

Ano: 2006

ISBN: 978-85-01-07533-8

Série: Mistérios de Heather Wells

Volume: 01

Número de páginas: 416

Sobre a Autora

Tamanho 42 não é gorda – Meg Cabot – #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

Meg Cabot já morou em Indiana, na Califórnia e na França. Trabalhou como ilustradora e é autora das séries O Diário da Princesa, A Mediadora e de Cabeça de Vento, entre outros, todos publicados pela Galera Record. Atualmente divide seu tempo entre Key West, na Flórida, e Nova Tork, com o marido e vários gatos, inclusive a de um olho só que se chama Henrietta.

Opinião da Nathy

Os livros da Meg Cabot são uns dos que mais gosto, por isso no ano passado quando comecei a fazer os desafios decidi que iria ter ao menos um livro da autora e não errei na escolha. Apesar de ter tido várias coisas que me incomodaram demais, a autora tem um jeito único de escrever e cativar o leitor, quando comecei não podia mais parar até saber o que iria acontecer no final, para saber se estava certa ou não. Sou uma pessoa apaixonada por livros de assassinatos e nesse caso a autora juntou o útil ao agradável ainda que algumas partes não soube desenvolver as pistas para levar ao culpado. Quase na metade do livro a leitura começou a ficar cansativa e parecia que a autora estava tentando esticar ao máximo tudo antes do grande final, que não foi tão surpreendente assim, nesse ponto fiquei decepcionada.

Após ler tantos livros com a narrativa em primeira pessoa e ter autoras que conseguem finalizar tudo sem deixar nada em aberto, Meg conseguiu me deixar satisfeita até certo ponto da história, pois queria saber os sentimentos de Cooper com tudo o que estava acontecendo ao seu redor. Enfim, Heather Welles é quem narra à história e se coloca em situações realmente complicadas e engraçadas, quem nunca entrou no provador e teve que pedir por um número maior? Após um assassinato ocorrer no alojamento da universidade na qual trabalha ela acaba se envolvendo em uma trama onde pode se tornar a próxima vitima desse assassino totalmente desequilibrado, ainda tem que lidar com o fato de que mora de favor na casa de seu ex-cunhado e todas as pessoas ficam a julgando por ter sido uma cantora famosa quando mais jovem e hoje em dia não tem mais nada.

Não me lembro de qual foi à última vez em que consegui entrar em um tamanho 38. Bom, lembro sim, mas não é um período do meu passado que me agrada em especial.

Vivenciei um conflito muito grande em relação a personagem porque ao mesmo tempo que representa todas as mulheres – não somente as que usam tamanho 42 – teve atitudes muito imaturas, em nenhuma circunstâncias iria investigar por conta própria algum assassinato. Ela soube lidar bem a situação, mas não parecia uma mulher de 28 anos, em algumas partes parecia que na verdade estava lendo aqueles romances adolescentes que a autora sempre escreve e isso me fez ficar com um pouco de raiva da principal. Sem contar que se você diz que está apaixonada por um homem e quer que lhe note não é fazendo certas coisas na porta de sua casa que conseguirá isso, pelo contrário somente irá afastá-lo.

Já Cooper é o homem tranquilo que não precisa de muito em sua vida, nesse primeiro livro queria muito saber o que estava passando em sua mente e quais eram seus sentimentos, mas infelizmente isso não foi possível. Não é o tipo de mocinho que logo de cara me conquista, seu jeito é parado e quase não parece muito em cena, quando o faz é para tentar colocar um pouco de juízo na cabeça de Heather. Não se sabe muito do seu trabalho porque não pode compartilhar, nem com a gente ou com Heather, mas com pessoas aleatórias isso é possível. Também em irritou um pouco por não ver o que estava em sua frente e não tomar a decisão se iria tentar conquistá-la ou deixar de lado.

E ele gosta de mim. Porque ele por acaso gosta de garotas legais.

Sinto uma raiva imensa de dois personagens e provavelmente vou odiá-los até o último livro dessa série. Jordan é o ex-noivo da Heather que não sabe se pega ou larga o osso, um homem muito egoísta que fica pensando em seu próprio bem e não em quem pode machucar no meio do caminho. Não consigo ver o que a Heather tinha gostado tanto a ponto de ficar noiva dele, quando volta para a sua vida ainda age como se não tivesse feito nada e ainda fosse o bonzinho. Já Tania é a sua atual noiva, a qual Heather pegou fazendo certos favores para Jordan quando os dois estavam juntos, somente isso já me faz detestar a personagem porque não acho que alguma coisa justifique uma traição, por isso nem vou me estender quanto a essa personagem.

O mistério de quem poderia estar por trás dos assassinatos das moças no poço do elevador não foi muito desenvolvido e as pistas eram muito claras sobre quem estava fazendo tudo isso, gosto dos livros que nos levem em uma direção e de repente não é nada daquilo que estava imaginando, mas como esse não é um livro exatamente sobre assassinatos consegui apreciar com um olhar diferenciado. Novamente tem-se em mãos um assassino completamente fora de si que machucaria qualquer pessoa em sua frente.

Então me condeno por me sentir assim. Ela continua sendo uma menina de 18 anos morta, independentemente de ser ou não uma das minhas funcionárias estudantis.

Para quem é fã da autora não deve deixar essa série passar e se você gosta de um romance misturado com momentos divertidos essa é uma boa pedida.

Quote Favorito

Tamanho 42 não é gorda – Meg Cabot – #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

Capa e Diagramação

Tamanho 42 não é gorda – Meg Cabot – #Resenha | OBLOGDAMARI.COMA capa desse primeiro volume tem duas formas a que achei mais bonita e que tenho em mãos é a rosa com um maio cortado ao meio e as letras em cima e entre esse corte. Pela edição que tenho ser em edição econômica a capa é um pouco áspera e brilhante. Gostei demais da capa americana ao lado, mas acho que a editora acertou em cheio em manter esse padrão na série. Quando a diagramação, as páginas são brancas e as folhas bem finas, cada capítulo inicia em uma nova página e antes do começo de cada um tem a letra de uma música de Heather.

Nota da Nathy

Tamanho 42 não é gorda – Meg Cabot – #Resenha | OBLOGDAMARI.COM Tamanho 42 não é gorda – Meg Cabot – #Resenha | OBLOGDAMARI.COM Tamanho 42 não é gorda – Meg Cabot – #Resenha | OBLOGDAMARI.COM Tamanho 42 não é gorda – Meg Cabot – #Resenha | OBLOGDAMARI.COM Tamanho 42 não é gorda – Meg Cabot – #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

Datas de Lançamentos

  • Tamanho 42 não é gorda – Lançado em 2006
  • Tamanho 44 também não é gorda – Lançado em 2009
  • Tamanho não importa – Lançado em 2011
  • Tamanho 42 e pronta para arrasar – Lançado em 2013
  • The Bride Wore Size 12 – Sem previsão de lançamento

Onde Comprar

About the Author:

Nathalia Garcia - A Nathy! Tem 26 anos e é formada em Psicologia. Seu maior vício são os livros, ela sempre está se arriscando em um novo desafio literário. Romances policiais são os seus favoritos. Nos últimos anos também se tornou uma apaixonada por séries. Once Upon a Time e Criminal Minds são algumas das suas séries prediletas.

Os comentários são previamente moderados, mas eles são muito importantes para nós! Então comentem! =)