E Se Fosse Verdade – Marc Levy – #Resenha

Home/E Se Fosse Verdade, Livros, Marc Levy, O Blog da Mari, Resenhas, Suma de Letras/E Se Fosse Verdade – Marc Levy – #Resenha

Sinopse: E se Fosse Verdade… é uma história repleta de romantismo e bom humor, ingredientes que cativaram Steven Spielberg, fazendo-o adquirir, por US$ 2 milhões, os direitos do livro para o cinema. Marc Levy viu seu romance de estreia se tornar um grande sucesso de bilheteria. A história se passa em São Francisco, em julho de 1996. A jovem e bela Lauren, estudante de medicina, sofre um acidente de carro, entra em coma e vai parar no mesmo hospital onde trabalha. Apesar de seu estado, Lauren consegue, espiritualmente, voltar para o seu antigo apartamento. Lá, encontra Arthur, o arquiteto que é o novo morador do imóvel e a descobre no armário do banheiro ao ir tomar banho. Ele é a única pessoa que consegue vê-la, ouvi-la e senti-la. Inicialmente se recusando a acreditar na história de Lauren, Arthur só fica convencido de toda a verdade quando vai até o hospital e a encontra desacordada. A partir daí, ele vai fazer o impossível para ajudá-la a voltar ao seu estado natural.

Ficha Técnica

E Se Fosse Verdade - Marc Levy - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

Titulo Nacional: E Se Fosse Verdade – Skoob 

Titulo Original: Et si c’était vrai – GoodReads

Autor(es): Marc Levy

Tradução: Jorge Bastos

Editora: Suma de Letras (Editora Objetiva)

Ano: 2013

ISBN: 978-85-8105-135-2

Duologia: Et si c’était vrai

Volume: 01

Número de páginas: 256

Sobre a Autora

E Se Fosse Verdade - Marc Levy - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

Marc Levy nasceu em 16 de outubro de 1961, na França. Empresário de sucesso nos ramos de computação gráfica e arquitetura, aos 37 anos teve a ideia de escrever uma história, com o intuito único de que seu filho a lesse quando chegasse à idade adulta. O livro resultante, E se fosse verdade?, de 1999, foi  um grande sucesso, lançando sua carreira de escritor. Hoje, com mais de 26 milhões de livros vendidos em todo o mundo, ele é publicado em 45 línguas. Em 2005, estreou em todo o mundo a adaptação cinematográfica de E se fosse verdade?, com Reese Witherspoon e Mark Ruffalo.

Opinião da Nathy

Não estava planejando ler esse livro tão cedo, mas sabe quando olha para um livro na estante e sente aquela vontade de saber um pouco da história? Foi exatamente assim que me senti e por isso resolvi dar uma chance logo de começo, o livro é pequeno parecia que não ia demorar muito em sua leitura, sem contar que já tinha visto a sua adaptação amado. Qual não foi a minha surpresa em perceber que o livro somente tem uma coisa em comum com o filme, que a mocinha é uma médica que está em coma e o mocinho é o único capaz de conversar com ela, por isso prefiro muito mais ao filme a ao livro. Acho que no quesito romance e no desenvolvimento dos personagens foi muito mais fácil acreditar no filme, geralmente sou dessas que gostam dos dois estilos, mas infelizmente o livro não conseguiu me cativar.

Livros pequenos em um dia consigo finalizar, porém com esse levei mais de três dias de tão cansativo, a narrativa é em terceira pessoa, mas como se um dos personagens estivesse contando tudo. Mas, isso até que conseguia relevar o maior problema foi mesmo na questão de quão detalhista o livro consegue ser, não gosto quando apressam os fatos, porém demorar em cada pedaço da cena e dos sentimentos dos personagens pode tornar tudo muito chato, como se já não tivesse mais nada do que falar e por isso tinha que estender ao máximo que conseguisse. Não vi necessidade de descrever cada passo que Arthur estava dando, no estilo de ‘Arthur levantou da mesa, empurrou a cadeira para trás, caminhou dez passos para frente e parou’ porque não é algo que o leitor realmente precise saber. O final foi em aberto, mas a boa noticia é que o segundo livro já foi lançado aqui no Brasil, mas pela a editora Bertrand.

O pequeno despertador em cima da mesinha de cabeceira de madeira clara acabava de tocar. Eram cinco e meia e o quarto banhado naquela claridade dourada que somente o amanhecer em São Francisco proporciona.

A Lauren é uma médica que está indo passar um tempo fora de casa quando sofre um acidente e acaba em coma durante um longo período. Ao contrário da personagem no filme, ela é bem consciente com o que lhe aconteceu e no estágio em que se encontra, também é uma fofa disposta a fazer um sacrifício pelo bem de Arthur mesmo sendo somente um fantasma. Fiquei encantada porque conseguiu de certa forma fazer Arthur acreditar em sua existência e de que poderia ajudá-la a passar por tudo isso. Tiveram alguns momentos divertidos proporcionados por ela, mas tudo parecia ser bem mais complexo e reflexivo do que no filme que foi retratado como uma comédia romântica.

Já o Arthur me pareceu muito obcecado com algumas ideias, tipo de homem que se apaixona e quando tem seu coração partido simplesmente não conhece deixar de lado. Teve um amor no passado a tal de Carol e mesmo na presença de Lauren, pelo menos no começo, pensava ainda nessa Carol, por isso em alguns momentos não conseguia acreditar em seus sentimentos. Tentei ao máximo não imaginar que ele estava desenvolvendo um romance com uma fantasma justamente pela situação ser bem esquisita, mas aproveitei até onde conseguia nisso tudo. Ele é muito determinado e nem quando a preocupação de sue melhor amigo atingia um nível bem elevado parecia nem se importar com tudo ao seu redor somente com Lauren, por isso no final eu fiquei com muita pena dele.

E não é muito mais perigoso para você, se não tentarmos nada? Temos só quatro dias, Lauren!

Quem em sã consciência iria acreditar se uma pessoa afirma estar vivendo com um fantasma e que precisa de sua ajuda para tentar mantê-la viva, ninguém seria capaz de ajudar e provavelmente internaria a outra pessoa. Por isso gostei demais do Paul, ele não comprava em nada as histórias que Arthur estava contando, mas por ser seu melhor amigo resolveu ajudar e se colocar diante de um problema ainda maior que somente estar morando uma fantasma. Um personagem muito divertido e que podia ter aparecido muito mais. A mãe do Arthur também faz algumas aparições para revelar momentos do passado do Arthur, mas sinceramente foi um dos momentos mais desinteressantes do livro.

Mas, os momentos divertidos mesmo ficaram por conta de George e Nathalia, um policial e sua assistente. A dinâmica desses dois é muito engraçada e o melhor de tudo ela não tem medo de dizer o que está pensando e ele ao invés de ficar irritado com tudo acaba embarcando na onda dela. Personagens que definitivamente foram feitos um para o outro e que poderiam ter tido muito mais cenas juntos, no próximo quero continuar lendo somente para saber o que será desses dois.

Note como você é volúvel: pela manhã se dispunha a por meu nome no seu caderninho para uma dança e não quer uma noitada ótima na minha companhia. Preciso de uma ajuda, Nathalia, me dê uma força.

Se você está naquele momento em que precisa fazer uma boa reflexão sobre a sua vida e tudo ao seu redor, esse livro é uma boa pedida, pois em praticamente Arthur e Lauren mostra ao leitor a importância de se viver realmente.

Quote Favorito

E Se Fosse Verdade - Marc Levy - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

Capa e Diagramação

E Se Fosse Verdade - Marc Levy - #Resenha | OBLOGDAMARI.COMA capa nacional ficou muito linda, mostrando os pés dos dois personagens ou quase isso, tem um toque de paz e leveza para a história. Gostei muito mais que da original e outras que encontrei, chega a ser mais bonita que a capa do filme. As cores também combinaram com o cenário, mas não tem nada em relevo e a textura da capa é normal. A diagramação também é simples, cada capítulo inicia em uma nova página, não tem uma marcação para quando se muda de cenário, a única diferença é quando tem um pensamento ou cartas que estão escritos em itálico.

Nota da Nathy

E Se Fosse Verdade - Marc Levy - #Resenha | OBLOGDAMARI.COME Se Fosse Verdade - Marc Levy - #Resenha | OBLOGDAMARI.COME Se Fosse Verdade - Marc Levy - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM E Se Fosse Verdade - Marc Levy - #Resenha | OBLOGDAMARI.COME Se Fosse Verdade - Marc Levy - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

Datas de Lançamentos

  • E Se Fosse Verdade – Lançado em 2013
  • Encontrar Você – Lançado em 2005

Onde Comprar

About the Author:

Nathalia Garcia - A Nathy! Tem 26 anos e é formada em Psicologia. Seu maior vício são os livros, ela sempre está se arriscando em um novo desafio literário. Romances policiais são os seus favoritos. Nos últimos anos também se tornou uma apaixonada por séries. Once Upon a Time e Criminal Minds são algumas das suas séries prediletas.

4 Comments

  1. Amanda Freitas 24 de julho de 2014 at 06:19 - Reply

    Eu vi que tinha continuação, mas ainda não sei se vou ler. Além de ter, um monte de livro pra ler, esse livro não me prendeu muito não. Mas vamos ver, eu não gosto de deixar nada inacabado, então provavelmente, mais a frente eu leia. Tomara que seja melhor que o primeiro.

  2. Amanda Freitas 19 de julho de 2014 at 01:41 - Reply

    Eu até gostei do livro, mas em comparação com o filme, eu fico com o filme. Toda a vida. Não é que o livro não seja bom, mas eu achei um pouco chatinho e enrolado. E também não fui muito com a cara do Arthur não, o que é raro, mas ele se agarrou tanto no passado, que parecia que não queria soltar. O que eu não gosto. Eu achei o livro bonzinho, dei 3 estrelas no Skoob, e no presente não coloquei nada desse autor na minha lista. E nem pretendo colocar. Mas gostos são gostos, e há quem gosta.

    • Nathalia Garcia 20 de julho de 2014 at 12:43 - Reply

      Ola Amanda!!

      O Arthur chega a ser ótimo no filme e nesse livro simplesmente fica preso em questões que deveria deixar de lado. Eu quero ler a continuação desse livro para saber se fica melhor a história dos dois porque o final do livro fica em aberto e gosto quando se tem finais felizes rs.
      Beijos

  3. […] E Se Fosse Verdade – Marc Levy – #Resenha […]

Os comentários são previamente moderados, mas eles são muito importantes para nós! Então comentem! =)