Glória Mortal – J.D. Robb – #Resenha

Home/Bertrand Brasil, Glória Mortal, JD ROBB, Livros, O Blog da Mari, Resenhas, Sem categoria/Glória Mortal – J.D. Robb – #Resenha

Sinopse: A primeira vítima foi encontrada caída na calçada, na chuva. A segunda foi morta no próprio prédio onde morava. A tenente Eve Dallas, da Polícia de Nova York, não teve dificuldades para encontrar uma ligação entre os dois crimes. As duas vítimas eram mulheres lindas e muito bem-sucedidas, mas que mantinham relações que poderiam provocar suas mortes. Suas vidas glamourosas e seus casos amorosos eram assunto na cidade, assim como suas relações íntimas com homens poderosos e riquíssimos. Livro escrito por J.D. Robb – pseudônimo da escritora norte-americana Nora Roberts. Primeiro Capítulo.

Ficha Técnica

Glória Mortal – J.D. Robb – #Resenha | OBLOGDAMARI.COMTitulo Nacional: Glória Mortal – Skoob

Titulo Original: Glory in Death – Goodreads

Autora: J.D. Robb

Tradução: Renato Motta

Editora: Bertrand Brasil

Ano: 2011

ISBN: 978-85-286-1070-3

Série: Série Mortal

Volume: 02

Número de páginas: 363

Sobre a Autora

Glória Mortal – J.D. Robb – #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

J.D ROBB é o pseudónimo que a autora Nora Roberts usa para escrever a Série Mortal, ela é uma das autoras mais queridas e respeitadas no mundo. Ela tem mais 200 milhões de cópias vendidas em todo o mundo e cerca de 90 bestsellers na lista do New York Times. Nora sempre teve a vontade de escrever romances policiais, mas durante muito tempo seguindo as instruções de sua agente ela somente ficava concentrada em romances contemporâneos. Os editores da Editora Putnam, para a qual trabalhava, sugeriu que ela adotasse um pseudônimo para esse tipo de livro e eles os publicariam um por ano. As inicias J.D. vieram se seus filhos Jason e Dan, enquanto o Robb é uma abreviatura de seu próprio nome.

Opinião da Nathy

Em vista de que esse é o segundo volume da série publicado no Brasil, e os livros devem ser lidos em sua ordem de publicação, as informações abaixo podem ser consideradas SPOILERS.

Sinceramente já nem tenho mais elogios no que se refere a esses livros a autora consegue fazer com que embarquemos em uma nova jornada sem se tornar repetitiva. Apesar de ter gostado demais desse livro no que se refere à parte do assassinato não me deixou muito empolgada, tendo um monte de pistas que levam a diversos suspeitos incluindo o Roarke, mas o desfecho dele eu não acho que tenha sido muito bem elaborado. Obviamente fiquei procurando saber quem era o assassino e quando tudo se tornou meio obvio de quem poderia estar por trás disso me irritou um pouco porque estava esperando algo que fosse me fazer ficar bem surpresa e em choque, mas não foi possível.

Com a narrativa em terceira pessoa o leitor passa a investigar o caso de assassinatos de mulheres realmente poderosas que com grande esforço chegaram a cargos muito importantes. Todas as pistas levavam para um suspeito que não estava nenhum um pouco disposto a ajudar, enquanto o verdadeiro assassino agia livre e de uma forma cruel para com suas vitimas, não conseguia aceitar o fato de que fossem tão bem sucedidas, enquanto estava fadado ao fracasso. Não foi um assassino que me deixou empolgada com sua mente, na verdade mais parecia que estava agindo por impulso e frieza do que com passos devidamente calculados, por isso não foi uma surpresa quando Eve selou seu destino.

Será que é pior quando a gente conhecia a vítima?

Quando li a primeira vez essa série sentia uma raiva muito grande da Eve por não abrir um espaço em sua vida para as coisas maravilhosas, como o próprio Roarke, mas ao reler passei a vê-la de outro ângulo. Uma mulher que teve a infância totalmente destruída, não se lembra da maior parte dela, tem pesadelos a noite com seu pai que somente lhe faz e passou um longo tempo de sua vida enfrentando esses problemas sozinhas realmente não é fácil se deixar levar por um sentimento sem nem ao menos se assustar um pouco. Passei a admirar sua coragem e força ao se permitir se importar com as pessoas ao seu redor e lutar por elas, inclusive por aquelas que estão mortas, não é a toa que seja considerada a melhor detetive de Nova York. A única coisa que ainda não superei nela é essa coisa de não comer ou dormir porque tem que prender os bandidos, me deixa muito irritada não se cuidar e chegar ao nível de exaustão.

Já o Roarke nem precisei reler para gostar desse homem, continua tendo uma força incrível e não desisti daquilo que mais deseja mesmo que fique pressionando até o último instante. Em alguns momentos me sentia mal com suas atitudes porque imaginava o que exatamente Eve estava sentindo ao vê-lo contar com tranquilidade sobre um caso com uma das mulheres mais bonitas, nesse momento quis lhe dar um belo soco no olho e fiquei triste que Eve não tenha tomado essa atitude, mas compreendo porque não é possível ficar irritada por muito tempo. Um homem com um passado ainda mais obscuro e que está tentando limpar todos os caminhos para que isso não recaia sobre Eve tamanho é o seu amor. O relacionamento dos dois tem uma balançada grande ainda mais por estar bem no começo, mas sempre tem aquele momento que irá nos fazer suspirar eu achei muito linda a cena final desse livro, mas não vou contar mais porque posso acabar soltando um grande Spoiler.

Talvez se sentisse se considerasse esta a sua casa, tanto quanto a minha. Eve… Quando é que você vai aceitar o que eu sinto por você?

Nesse livro também tem a primeira aparição de Peabody uma policial que tem uma mente uma sagaz e uma língua ainda mais afiada. Lembro que quando li pela primeira vez estava muito empolgada e desejando que essa personagem aparecesse mais vezes porque de certa forma conseguia completar os pensamentos de Eve, não tem muito destaque nesse livro, mas foi bom que conseguimos conhecer um pouco de seu jeito. Já Nadine que persegue Eve desde o primeiro livro tem uma importância muito grande, consegue provocar cada vez mais o assassino com seu jeito alegre de ser, mas fiquei com muita pena do que lhe aconteceu no decorrer da história não merecia isso de jeito nenhum.

Quem também aparece muito no livro é o Comandante Whitney e sua família em vista que eram muito próximos da primeira vítima. Ele sempre foi um personagem que não fez muita diferença nos livros na minha visão, claro que todo o apoio que Eve precisa na resolução dos casos e forças os assassinos a confessarem vem do comandante, mas não conseguia me importar. Até que nesse livro ele meio que ultrapassa alguns limites e se Eve não fosse uma personagem tão forte com certeza nessa altura estaria quebrada com uma simples frase do homem que sempre confiou. Acho que ele não soube como lidar com a situação e acabou descontando na mesma.

Não, não estava. Tínhamos uma grande amizade, uma amizade muito valiosa. Basicamente, ela era parte da família. Você não conseguiria compreender o conceito de família, Dallas.

Essa é uma série de livros que agrada todos os gostos, se ama livros que tenham um bom toque de romance ou se ama um bom mistério não pode deixar de conferir. Inclusive para aqueles que gostam de série de televisão criminais deveriam dar uma chance.

Quote Favorito

Glória Mortal – J.D. Robb – #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

Capa e Diagramação

Glória Mortal – J.D. Robb – #Resenha | OBLOGDAMARI.COMNão consigo gostar das capas originais dessa série, concordo que o nome da autora tem que ter um destaque porque assim vende mais, porém não gosto quando fica em cima dos desenhos porque assim fica muito poluído, não gostei dessa também somente com uma ponte, ainda que os tons tenham ficado muito bonitos. Mas, sem comparação com as feitas pela Bertrand adoro o fato de seguirem um padrão, dessa vez o nome da autora está em roxa para combinar com a figura do guarda-chuva. A diagramação continua padrão dessa série com as páginas brancas e cada capítulo iniciando em uma nova página.

Nota da Nathy

Glória Mortal – J.D. Robb – #Resenha | OBLOGDAMARI.COM Glória Mortal – J.D. Robb – #Resenha | OBLOGDAMARI.COM Glória Mortal – J.D. Robb – #Resenha | OBLOGDAMARI.COM Glória Mortal – J.D. Robb – #Resenha | OBLOGDAMARI.COM Glória Mortal – J.D. Robb – #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

Datas de Lançamentos

  • Nudez Mortal – Lançado em 2004 – Resenha
  • Glória Mortal – Lançado em 2004
  • Eternidade Mortal – Lançado em 2005
  • Êxtase Mortal – Lançado em 2005
  • Cerimônia Mortal – Lançado em 2006
  • Vingança Mortal – Lançado em 2006
  • Natal Mortal – Lançado em 2007
  • Conspiração Mortal – Lançado em 2007
  • Lealdade Mortal – Lançado em 2008
  • Testemunha Mortal – Lançado em 2008
  • Julgamento Mortal – Lançado em 2009
  • Traição Mortal – Lançado em 2009
  • Sedução Mortal – Lançado em 2010
  • Reencontro Mortal – Lançado em 2010
  • Pureza Mortal – Lançado em 2011
  • Retrato Mortal – Lançado em 2011 – Resenha
  • Imitação Mortal – Lançado em 2011 – Resenha
  • Dilema Mortal – Lançado em 2012 – Resenha
  • Visão Mortal – Lançado em 2012
  • Sobrevivência Mortal – Lançado em 2013 – Resenha
  • Origem Mortal – Lançamento previsto para 2013 – Resenha
  • Memory In Death – Lançamento previsto para 2014
  • Born In Death – Sem previsão de lançamento
  • Innocent in Death – Sem previsão de lançamento
  • Creation in Death – Sem previsão de lançamento
  • Strangers in Death – Sem previsão de lançamento
  • Salvation in Death – Sem previsão de lançamento
  • Promises in Death – Sem previsão de lançamento
  • Kindred in Death – Sem previsão de lançamento
  • Fantasy in Death – Sem previsão de lançamento
  • Indulgence in Death – Sem previsão de lançamento
  • Treachery in Death – Sem previsão de lançamento
  • New York to Dallas – Sem previsão de lançamento
  • Celebrity in Death – Sem previsão de lançamento
  • Delusion in Death – Sem previsão de lançamento
  • Calculated in Death – Sem previsão de lançamento
  • Thankless in Death – Sem previsão de lançamento

Onde Comprar

About the Author:

Nathalia Garcia - A Nathy! Tem 26 anos e é formada em Psicologia. Seu maior vício são os livros, ela sempre está se arriscando em um novo desafio literário. Romances policiais são os seus favoritos. Nos últimos anos também se tornou uma apaixonada por séries. Once Upon a Time e Criminal Minds são algumas das suas séries prediletas.

4 Comments

  1. Amanda Freitas 28 de julho de 2014 at 05:39 - Reply

    O que dizer desse livro ou dessa série, que não seja a palavra perfeição?…
    Pra mim, os livros que eu marco como favorito ou com cinco estrelas, são os livros que me prendem durante a leitura e após eu ter terminado. São aqueles livros que mesmo depois de ler você se vê parada em qualquer lugar, recordando de partes ou de falas dos personagens. São aqueles que se você sabe que terá um próximo volume, não consegue ficar parada até que o volume saia pra comprar e que você não tem medo de começar a ler, porque confia na história e no autor. E, por incrivel que pareça tudo isso aconteceu com essa serie. A cada livro a história me prende de um jeito… que hoje em dia é raro, muito raro! E conseguir fazer isso com uma série de livros como essa (que são mais de 40 publicados no exterior) e fazer com que o leitor se encante pela história a cada volume, é incrivel mesmo. J.D Robb tem um verdadeiro dom, porque não é todo mundo que consegue fazer uma porrada de livros e em todos eles te prender e surpreender como se fosse o primeiro.

    Uma das minhas série favoritas.

    • Nathalia Garcia 29 de julho de 2014 at 15:55 - Reply

      Da série mortal não tenho que questionar os livros, acho que somente não gostei de um deles que mexeu um pouco com aquilo que acredito e por isso foi dificil de engolir. Ms, todos os livros dela são ótimos e acho que quem gosta desse estilo deve conferir sempre.

  2. […] Glória Mortal – Lançado em 2004 – Resenha […]

  3. […] Glória Mortal – J.D. Robb – #Resenha […]

Os comentários são previamente moderados, mas eles são muito importantes para nós! Então comentem! =)