Os Assassinos do Cartão-Postal – James Patterson e Liza Marklund – #Resenha

Home/James Patterson, Livros, Liza Marklund, O Blog da Mari, Os Assassinos do Cartão-Postal, Resenhas/Os Assassinos do Cartão-Postal – James Patterson e Liza Marklund – #Resenha

Sinopse: Uma viagem para conhecer as mais belas cidades da Europa é o sonho de qualquer pessoa. Porém, o detetive da NYPD Jacob Kanon não está interessado nos pontos turísticos. Após receber a notícia do brutal assassinato de sua filha e namorado, mortos em Roma, Kanon viaja para o Velho Continente para tentar juntar pistas sobre o crime que mudou sua vida. E a onda de assassinatos está só começando: jovens casais são encontrados mortos em Paris, Copenhague, Frankfurt e Estolcomo. Os crimes parecem não estar conectados, com exceção de um cartão-postal enviado para o jornal local da cidade de cada nova vítima. Quando o repórter sueco Dessie Larsson recebe um postal, Kanon junta forças com o jornalista e partem para o novo destino para tentar capturar o serial killer. Primeiro Capítulo.

Ficha Técnica

Os Assassinos do Cartão-Postal – James Patterson e Liza Marklund – #Resenha | OBLOGDAMARI.COMTitulo Nacional: Os Assassunos do Cartão-Postal – Skoob

Titulo Original: The Postcard Killers – Goodreads

Autores: James Patterson; Liza Marklund

Tradução: André Fiker

Editora: Arqueiro

Ano: 2014

ISBN: 978-85-8041-271-0

Número de páginas: 303

Sobre os Autores

Os Assassinos do Cartão-Postal – James Patterson e Liza Marklund – #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

Eva Elisabeth Marklund é uma jornalista e escritora de ficção policial sueca. Ela nasceu em Pålmark, próximo à Piteå, Norrbotten. Seus romances, a maioria do qual apresenta a personagem fictícia Annika Bengtzon, uma jornalista, foram publicados em 30 línguas. Marklund é co-proprietária da terceira maior empresa editora da Suécia, Piratförlaget e colunista no tabloide sueco “Expressen”. É também embaixadora da Unicef. “The Postcard Killers”, um triler criminalístico escrito em parceria com o autor americano best-seller James Patterson, é o 12º livro de Marklund. Marklund mora na Espanha com o marido Mikael.

James Patterson é um romancista nova-iorquino conhecido por seus livros de suspense, mistério e magia que agradam tanto aos adultos quanto aos adolescentes. ícone da cultura pop. Patterson já apareceu na série Os Simpsons e fez uma ponta como ele mesmo na série Castle. Ganhador do prêmio Autor do Ano (2010) da Forbes, é de James Patterson o record de escritor com o maior número de títulos entre os mais vendidos (76) do The New York Times. Casado com Susan Patterson, o casa vive a maior parte do tempo na Flórida.

Opinião da Nathy

Quando comecei esse livro fiquei com muito receio, porque já havia tido contado anteriormente com os livros desse autor, com O Diário de Suzanna para Nicolas que me deixou fascinada e com a série Bruxos e Bruxas que não deixou uma boa impressão, então não sabia o que esperar do autor escrevendo um romance policial. Mas, logo no começo conseguiu acabar com qualquer receio que tivesse não ficou enrolando para chegar a um determinado e colocou as pistas certas para me deixar intrigada. Sou apaixonada por livros desse estilo e em minha visão James Patterson soube descrever muito bem como funciona a mente de um detetive ou de um homem obcecado por fazer justiça às vitimas. Sei que o autor já escreveu diversos livros nessa mesma linha, mas não tinha tido até esse momento um contato mais profundo, mas já posso afirmar que irei atrás dos seus outros livros.

A trama gira em torno de casais que são assassinados ao redor do mundo, aparentemente nenhum deles tem qualquer relação há não ser o fato de estarem casados em um curto período de tempo. Os assassinos antes de cometerem esses atos mandam para algum jornalista um cartão-postal tentando mostrar o que está por vir em sua cidade e após cometer os crimes enviam fotos para que sejam apreciadas. Com a narrativa em terceira pessoa o leitor é levado para as cenas dos crimes e junto com os detetives responsáveis pelos casos vai analisando cada uma das pistas até chegar a alguma conclusão. Tudo é muito bem desenvolvido que quando cheguei ao final do livro me senti como se tivesse cumprido com meu dever, o autor não deixou nenhuma ponta solta quanto a quem são os assassinos e seus motivos para terem os realizados.

No fim, só restou o leve chiado que indicava que a traqueia havia sido cortada.

O personagem principal Jacob Kanon é um detetive da divisão de homicídios de Nova York que ao saber do assassinato de sua Kimmy por essas pessoas não conseguiu ter um minuto de sossego. Um personagem muito real que em diversos momentos não conseguia entender como podia aguentar por tanto tempo essa dor. Durante o dia faz de tudo para juntar as peças que o leve aos assassinos de sua filha, mas durante a noite fica se culpando pela a morte da menina e se afoga nas bebidas que estiver em sua frente. Gostei muito do personagem por ser palpável e não estar distante de uma realidade, a determinação dele é impressionante assim como os momentos que em consegue separar Jacob, o pai do Jacob, o detetive. Ambas as personalidades me agradaram muito, sua inteligência e perspicácia foi impressionante conseguia ver detalhes que as outras pessoas ao seu redor deixavam passar.

Por ler muitos livros nesse gênero não deveria ter ficado impressionada como os assassinatos aconteciam e como os responsáveis por isso se sentiam, mas de falta a cada nova cena relatando seus comportamentos e a sua audácia ficava de boca aberta. Não posso negar que gostei deles, mas no sentido em que desafiavam as mentes dos outros a trabalharem porque sem dúvida eram muito espertos. Quando você pensa que chegou na solução do caso e que nada mais pode te surpreender, eis que novas vítimas surgem e uma trama muito maior da que estava esperando acaba por ser revelada.

Então, sim, estou obsessivo. E eu vou persegui-los até o inferno congelar.

Assim como Jacob a personagem Dessie Larsson tem uma evolução muito grande desde a sua primeira aparição até a última. Uma jornalista que cuida de reportagens pequenas e gosta de como caminha sua vida, porém tudo muda quando recebe um cartão-postal desses assassinos. A partir desse momento ela não tem escolha há não ser se envolver nisso até chegar ao final, no entanto, é perceptível o momento que tudo deixa de ser uma reportagem que foi jogada em seu colo, para uma questão de justiça com as vitimas. A forma como ela se entrega ao caso e busca as pistas ficou muito legal, ainda que a personagem demonstre ter sentimentos confusos sobre algumas pessoas, ela é muito determinada no que se refere a sua profissão. Muito divertida e sensível.

Os personagens secundários me irritaram um pouco por não perceberem o que estava diante deles e simplesmente deixarem as pistas esfriarem, ainda mais por afirmarem serem ótimos detetives que não precisavam da ajuda de ninguém. Tem um pouco de romance no livro que deu uma descontraída em tudo, gostei muito de quem juntaram, mas fiquei surpresa com algumas revelações sobre outros casais. Não vou contar de quem se trata esses casais porque pode ser considerado um spoiler.

Eu amo estar em lua de mel com você.

Esse é o tipo de livro que recomendo somente para as pessoas que gostam de livros envolvam assassinatos e querem ir atrás das pistas, ainda que tenha uma boa pitada de romance o foco não é esse. Se já leu algo de romance policial é decidiu que não gosta esse não é o livro certo para você, mas se nunca leu esse gênero e gostaria de arriscar para saber o que sente esse é um ótimo para se iniciar.

Quote Favorito

Os Assassinos do Cartão-Postal – James Patterson e Liza Marklund – #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

Capa e Diagramação

Os Assassinos do Cartão-Postal – James Patterson e Liza Marklund – #Resenha | OBLOGDAMARI.COMAs capas são algo que me chamam muito a atenção em seus mínimos detalhes principalmente porque gosto de depois de finalizar a leitura descobrir se faz jus a história ou poderia ter alguma coisa modificada. Na americana não gostei muito porque somente mostra o casal em cima do livro, bem pequeno e compacto, enquanto os nomes do livro e dos autores ficaram enormes, o que não acho necessário para chamar atenção. As cores são bonitas porque chamam muita atenção e combinam com o conteúdo sombrio do livro. Enquanto a nacional ficou maravilhosa e tudo na medida certa. O casal andando tranquilamente pela cidade deserta e os tons sombrios e um pouco apagado deixa tudo muito misterioso. O nome dos autores e do livro combinou com o estilo que quiseram deixar, sem contar a marca do selo. A diagramação também está muito bonita, antes de iniciar o livro tem uma folha que é igual a capa do livro. O livro é dividido em quatro partes e cada capítulo inicia em uma nova página, mesmo porque eles duram no máximo duas páginas. As folhas são amarelas, mas bem finas sendo possível enxergar as letras da folha de trás.

Nota da Nathy

Os Assassinos do Cartão-Postal – James Patterson e Liza Marklund – #Resenha | OBLOGDAMARI.COM Os Assassinos do Cartão-Postal – James Patterson e Liza Marklund – #Resenha | OBLOGDAMARI.COM Os Assassinos do Cartão-Postal – James Patterson e Liza Marklund – #Resenha | OBLOGDAMARI.COM Os Assassinos do Cartão-Postal – James Patterson e Liza Marklund – #Resenha | OBLOGDAMARI.COM Os Assassinos do Cartão-Postal – James Patterson e Liza Marklund – #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

Onde Comprar

“O livro é uma cortesia da Editora Arqueiro. A resenha realizada aponta os pontos positivos e\ou negativos de forma sincera, encontrados pela autora do post durante a leitura do livro. A opinião da autora é pessoal e independente da editora.”

About the Author:

Nathalia Garcia - A Nathy! Tem 26 anos e é formada em Psicologia. Seu maior vício são os livros, ela sempre está se arriscando em um novo desafio literário. Romances policiais são os seus favoritos. Nos últimos anos também se tornou uma apaixonada por séries. Once Upon a Time e Criminal Minds são algumas das suas séries prediletas.

Os comentários são previamente moderados, mas eles são muito importantes para nós! Então comentem! =)