Sinopse: Rio de Janeiro. Século XIX. Lorena Duarte Valão é uma jovem de extraordinária beleza e cheia de ideais romanescos que deseja a qualquer preço ascender socialmente. No grande baile do Cassino Fluminense, após reencontrar-se com o galanteador Rafael Abrantes, nasce uma paixão que acabará por consumir essa ambiciosa arrivista no intuito de conquistá-lo. Porém, o que a moça não contava é que o aristocrata Atílio Santiago, o Conde de Assis, está perdidamente apaixonado por ela, formando um intrigante triângulo amoroso que mudará radicalmente a vida de todos os envolvidos. Após entregar-se a Rafael e ser por ele desprezada, Lorena iniciará um plano de vingança para destruir o homem que a rechaçou, nem que para isso ela tenha que mentir, trair ou até mesmo matar.

Ficha Técnica

A Condessa de Assis - João Paulo Foschi - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

Titulo Nacional:A Condessa de Assis – Skoob

Titulo Original:A Condessa de Assis – Goodreads

Autor: João Paulo Foschi

Tradução: Livro Nacional

Editora: Schoba

Ano: 2013

ISBN: 978-85-8013-293-9

Série:Tomo

Volume:01

Número de páginas: 330

Sobre o Autor

A Condessa de Assis - João Paulo Foschi - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

O autor possui formação em Pedagogia e em Letras pela Universidade Estadual do Ceará(UECE). Participou de várias antologias poéticas e em 2013 está publicando o seu primeiro romance pela Editora Schoba, que se chama “A Condessa de Assis”.

Opinião da Nathy

Nossa que leitura mais viciante. Sabe aquele livro que começa a ler sem expectativas e de repente fica impossível de largar? Foi exatamente isso que aconteceu comigo nessa história. Quanto mais lia, mais ficava curiosa para saber o destino dos personagens. Teve algumas passagens que parava o livro somente para despejar toda a minha raiva contra a principal, mas isso eu irei falar logo mais. Foi um excelente romance que em uma única tarde consegui finalizar sua leitura. E quando terminei estava com aquela sensação de que não poderia ter acabado porque estava querendo muito mais.

Mesmo o livro tem um número considerável de capítulos e páginas tudo flui de uma maneira natural que quando menos esperava já estava finalizando. Gosto quando os livros são assim porque não importa a quantidade de páginas não se torna cansativo e ainda faz com que o leitor fique desejando mais da história. O autor também consegue juntar bem os elementos daquela época trazendo pessoas já conhecida da nossa história, mas o melhor de tudo foi à linguagem. Confesso que algumas partes não tinha nota de rodapé e fiquei tentando adivinhar o seu significado, mas nada que atrapalhasse a minha leitura. Conforme lia me sentia realmente naquela época e somente conseguia pensar nos atores da novela ‘Essas Mulheres’ que é da mesma época da história do autor.

O livro conta a história de Lorena, uma menina de boa família que está no período de encontrar um marido. Porém, não quer ter um casamento convencional e sim por amor, justamente por ler tantas histórias de heroínas que conseguem seu feliz para sempre. E por acreditar estar vivenciando o próprio romance e que merece o que esse mundo tem de melhor, faz as coisas mais impensáveis sem pensar nas consequências. Acaba por ficar obcecada com Rafael Abrantes, um homem bonito e de excelente família. O problema é que o mesmo está comprometido com sua melhor amiga e o que para muitas isso seria um empecilho para Lorena é somente mais um obstáculo a ser superado. Mas, seus planos não saem como desejava e acaba abandonada por Rafael e então nasce sua sede por vingança.

A Bela cidade do Rio de Janeiro, tal como hoje a conhecemos, mantém vivo o mesmo esplendor de antes, como nos tempos em que reinava o imperador D. Pedro II.

Com a narrativa em terceira pessoa o leitor é levado para os dramas de Lorena. No começo por todo o enredo ser focado nela acreditava que eu iria acabar me conectando com a personagem e torcendo pela mesma. Mas, no momento em que mostrou sinais de sentir inveja de sua melhor amiga e fazer uns planos mirabolantes, fiquei com um pouco distante. Então, quando começou a fazer suas vinganças não a achei tão forte para suportar tudo e mais parecia a menina ingênua que caiu nos braços do Rafael. Como se de alguma forma continuava nutrindo um amor por ele que nunca me convenceu, sentia que ela na verdade o queria por causa de sua posição.

Passei boa parte da história com raiva dela por não perceber o que estava bem diante de seus olhos. Por não aproveitar as chances e o amor que a vida tinha colocado diante de seus olhos. Não parecia que queria se vingar realmente de Rafael, mas sim como se quisesse que a olhasse com amor. E com certeza se algum momento Rafael se declarasse muito apaixonado acabaria por deixar toda a sua vida de lado e se jogaria nos braços dele. Ficou muito focada em se vingar dos dele e de sua mulher para viver mesmo a sua vida. Muito imatura e estou desejando o sangue dela no próximo livro.

Certamente, Rafael não poderia ser de Carolina!

Até se pode pensar em torcer pelo romance dos dois se imaginarmos aqueles romances que o mocinho sofre e depois percebe que perdeu o amor de sua vida. Mas, nesse fica impossível se sensibilizar com qualquer um dos dois. Em minha visão, Rafael era um desses rapazes que somente queria aproveitar a sua vida da melhor/pior maneira possível. Sem querer nenhuma responsabilidade para si mesmo e ainda que estivesse casado não se importaria com sua esposa ao ponto de não dormir com outras mulheres. Quis seduzir Lorena, mas nunca imaginou se casar com a mesma. Tanto que em determinado ponto do livro tenho a sensação de que se voltou para ela por causa de suas posses e o que poderia lucrar com um possível caso.

Enquanto isso tem Atílio do outro lado todo apaixonado. Verdadeiramente um homem que faz de tudo por sua esposa e mulher que ama. Não acreditei nas atitudes que tomou por causa desse amor e eu acho que nenhum um homem seria capaz do mesmo, pelo menos não naquela época. Fiquei encantada com seu jeito e definitivamente a Lorena não o merece, estou na torcida para que encontre uma nova mulher no próximo livro e seja realmente feliz. Fez de tudo por ela e ainda assim não ganhou nada de retorno. Mas, acho que ela é quem vai acabar percebendo o homem maravilhoso que tem ao seu lado. Meu coração ficava partido por causa dele, por não ver a mulher que tinha tomado como esposa.

Atílio adiantou-se novamente, pois não querendo perder mais de vista o seu ídolo, ofereceu-se ele mesmo para acompanhá-la até a sua casa.

As famílias tem um papel até que importante no enredo. A mãe de Lorena me levou aos extremos da loucura, mas entendo que esse era seu jeito e agia de acordo com a época. Mas, a mesma raiva que sentia da mãe da Elizabeth – Orgulho e Preconceito – sentia pela mãe de Lorena. Em alguns momentos até achava que o autor pudesse ter se inspirado nelas para os seus personagens, porque o pai dela também tem o jeito do pai da outra mocinha. Talvez eu tenha percebido esses elementos porque era uma época bem parecida. Consegui gostar um pouco do pai dela por seu jeito amoroso, mas nada que me fizesse cair de amores.

Já a família do Atílio eu acredito que as sogras tenham ganhado essa reputação por causa de sua mãe. Gente a mulher era infernal com as pessoas ao seu redor, a não ser com aquelas das quais gostasse. Entendia que estava somente querendo proteger seus filhos das más influências, mas me irritou um pouco sua manipulação. Enquanto a irmã dele era mesma um amor de pessoa e merecia alguém bem melhor em seu futuro. Porém, naquela época não havia como se escolher bem e as mulheres acabavam enganadas com o jeito encantador deles.

Mano, devo confessar que realmente ela é mais linda do que a descrição que me fizeste.

Que leitura mais gostava e estou na expectativa pelo próximo. Esse é o tipo de livro que ficamos ansiosas para que o autor escreva logo a sua continuação e a editora lance o mais rápido possível para matar a curiosidade de todos. E quero muito ver Lorena sofrendo demais para ver se assim cresce e dá valor ao que tem ao seu lado. Também com uma reviravolta surpreendente no final não poderia esperar menos do segundo livro.

Quote Favorito

A Condessa de Assis - João Paulo Foschi - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

Capa e Diagramação

A Condessa de Assis - João Paulo Foschi - #Resenha | OBLOGDAMARI.COMOutro ponto positivo no livro é a sua capa. O nome do livro está em um destaque no meio nas cores brancas e o nome do autor menor e em amarelo não ganhando tanto destaque. As cores também remetem a uma época passada. Todos os elementos importantes da história se encontram na capa e em cores ainda mais chamativas. Acho que o vermelho foi o que mais deu destaque no todo.

A diagramação é simples. Cada capítulo se inicia em uma nova página. Quando tem flashbacks estão em itálico assim o leitor não se perde no momento em que está acontecendo. Assim como as cartas escritas tem uma fonte diferente. As páginas são amarelas e não encontrei nenhum erro de digitalização.

Nota da Nathy

A Condessa de Assis - João Paulo Foschi - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM A Condessa de Assis - João Paulo Foschi - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM A Condessa de Assis - João Paulo Foschi - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM A Condessa de Assis - João Paulo Foschi - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM A Condessa de Assis - João Paulo Foschi - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

Datas de Lançamentos

  • A Condessa de Assis – Da Ascensão ao Apogeu – Lançado em  2013
  • A Condessa de Assis – Do Apogeu à decadência – Sem previsão de lançamento
“O livro é uma cortesia da Editora Schoba. A resenha realizada aponta os pontos positivos e\ou negativos de forma sincera, encontrados pela autora do post durante a leitura do livro. A opinião da autora é pessoal e independente da editora.”