A Espada de Kuromori – Jason Rohan – #Resenha

Home/A Espada de Kuromori, Escarlate, Jason Rohan, Livros, O Blog da Mari, Resenhas/A Espada de Kuromori – Jason Rohan – #Resenha

Sinopse: Aos 15 anos, Kenny Blackwood é um típico garoto da sua idade. Nascido na Inglaterra e morando desde os oito nos Estados Unidos, Kenny Blackwood vai a Tóquio para passar o verão com seu pai, um professor universitário. Ao chegar no Japão, o garoto fica surpreso ao descobrir um destino com o qual nunca sonhara. Ele é o único que pode deter uma guerra secreta prestes a explodir. Correndo contra um prazo impossível, Kenny precisa encontrar a lendária Espada do Céu e usá-la para evitar o pior. Mas um bando de monstros terríveis quer impedi-lo e o sucesso terá seu preço.

Ficha Técnica

A Espada de Kuromori - Jason Rohan - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

Titulo Nacional: A Espada de Kuromori – Skoob

Titulo Original: The Sword of Kuromori – Goodreads

Autor: Jason Rohan

Tradução: Ricardo Gouveia

Editora: Escarlate

Ano: 2014

ISBN: 978-85-8382-003-1

Número de páginas: 303

Sobre o Autor

A Espada de Kuromori - Jason Rohan - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

Jason Rohan trabalhou na redação da Marvel Comics, em Nova York, Estados Unidos, e como professor de inglês no Japão, onde viveu por cinco anos. Ele voltou para o Reino Unido e agora vive no oeste de Londres, com sua esposa e cinco filhos. Ele se baseou em sua trajetória e experiência de vida para escreve sua brilhante obra de ficção. A Espada de Kuromori é a estreia de Jason como autor, e o primeiro livro de uma série fabulosa de livros respaldada pela mitologia japonesa.

Booktrailer

Opinião da Nathy

Esse não é o meu estilo habitual de leitura, mas não em arrependi em nada ao embarcar nessa história. Tudo me lembrava demais aqueles desenhos que passavam no sábado de manhã, bem no estilo do Dragon Ball Z. Confesso que estava querendo ler mais pela a sua capa do que qualquer outra coisa. A história parecia ser mais uma que abordaria um monte de coisas e não sairia do local. Tenho que dizer que não somente a capa é linda, o seu conteúdo é ainda melhor. Ao terminar o livro não sabia o que pensar e fiquei um momento analisando tudo. E principalmente absorvendo. O autor teve uma ideia muito boa – que muitos podem ver como copia de outros livros – e transformou em algo maravilhoso. É o tipo de leitura mais juvenil, com personagens na sua adolescência, porém qualquer pessoa que se arriscar e souber apreciar irá gostar bastante do livro.

A história gira em torno de Kenny. Um adolescente de quinze anos que está indo visitar seu pai no Japão. Passar um tempo com ele e quem sabe assim retomar uma relação há muito tempo perdida. Porém, quando ainda está dentro do avião começam a acontecer coisas estranhas a sua volta. E tudo piora quando finalmente está em terra. Começa a ser perseguido por um monte de bichos que ninguém mais é capaz de enxergar. Acaba envolvido em uma trama muito maior do que podia imaginar.

Com a narrativa em terceira pessoa e os capítulos sendo em poucas páginas a leitura flui muito rápido. Quando terminava um capítulo já estava louca para ir para o próximo. Não consegui largar o livro até chegar ao final e ficar bem surpresa com o mesmo. Apesar de a trama central ser Kenny e o seu objetivo de impedir que milhões de pessoas morram. O autor conseguiu trabalhar muito bem com alguns elementos. Como a segunda guerra mundial, mesmo tendo muitos livros com esse tema, nesse livro foi bem inovador. Imagino que muitas pessoas se sintam da mesma forma. Também tem um pouco da mitologia japonesa que não conhecia absolutamente nada, então foi legal ler o básico dela.

Sim, vou encontrar o meu pai. Vou passar o verão com ele.

Geralmente nos livros de fantasia o personagem principal acaba descobrindo um mistério sobre sua vida e começa a agir de uma forma mais arrogante. Lembro que li um em que ele achava que realmente podia fazer qualquer e que não precisava de mais ninguém, sem contar a aceitação rápida de seus ‘poderes’. Nesse livro fiquei muito feliz ao ver que Kenny é um adolescente normal. Mesmo sabendo de alguns segredos sobre sua ida ao Japão, continua sendo ele mesmo. Cheio de dúvidas, medos e mágoas antigas. Aos poucos vai aprendendo a como lidar com tudo ao seu redor e procura escutar aos outros. Ainda que em alguns momentos fique nervoso e acaba tendo um acesso de raiva. Outro ponto é que ao enfrentar algumas coisas no caminho usa de improviso e não age como tivesse feito de proposito. Eu simplesmente amei o personagem.

E não está sozinho nessa jornada por terras desconhecidas. Kiyomi é também uma adolescente que faz de tudo para proteger Kenny dos seres do mal. Ao contrário do menino, ela foi criada nesse meio. Aprendendo as artes marciais e sabendo que um dia a tal profecia iria se cumprir. Tem um trauma forte em seu passado envolvendo sua mãe e por isso não deixa que muitos se aproximem. Mostra uma personalidade forte e que não sente medo de ninguém. No entanto, ao longo do livro ela mostra um lado mais frágil. O melhor de tudo é que mesmo tendo esses momentos não se torna mole ou igual àquelas meninas apaixonadas que não enxergam mais nada em sua frente. Ela fica focada no que deveria ser feito não importando as consequências, depois pensaria nos seus sentimentos.

Por que obviamente tem momentos fofos entre os dois. Não imaginava que isso fosse ser explorado no livro, mas ao ler algumas coisas já fiquei empolgada. Sim, gosto de livros de fantasia, policiais, mas também adoro um bom romance. E se você pensa que isso poderia ficar perdido ou jogado na história está enganado. Porque o autor consegue fazer as conexões necessárias. Ou seja, ele mantém seu foco na trama central, sem deixar de lado os outros elementos. Eu fiquei muito feliz com algumas cenas e já me fez querer ver mais desses dois juntos. Com certeza não é um casal convencional.

Ele mal chegara e já era o Inimigo Público Número Um.

Tem vários bichinhos com nomes em japonês e obviamente a Nathy não guardou tudo. Mas, teve menção a Onis e Kitsunes. Sim, Teen Wolf me ajudou um pouco nesse livro quando vi a menção deles até soltei um gritinho. Quando o mestre deles foi apresentado e falou que era uma raposa com nove caudas eu logo me lembrei dos Kitsunes, já estava esperando que aquele do mal fosse surgir. O mais fofo deles que quis várias vezes apertar foi o Poyo. Ele está na capa comendo e boa parte do livro passa fazendo isso. Mas, tem um papel bem importando para ajudar Kenny nessa guerra na qual foi jogado. Ele é uma mistura de animais e mesmo sem falar sabe dar sábios conselhos quando preciso. Somente queria um desses em casa.

Claro que dois adolescentes junto com Poyo não seriam capazes de fazerem todas as coisas. Por isso tem o mestre deles e o pai de Kiyomi. Ambos sabem exatamente o que fazer e quando fazer para que as coisas se ajeitem. Ainda que guardem muitos mistérios. Já o lado do mal eu não achei que foi tão do mal. Estava esperando que fizessem mais atrocidades em relação ao Kenny e todo seu grupo. Quem sabe em um próximo livro cheguem com força total.

Você agora está preso e será levado a Tóquio para um interrogatório adicional.

Esse é o primeiro livro de uma série e estou na expectativa do próximo de tanto que gostei da leitura. Se você gosta desses livros de fantasia esse será um prato cheio. Vale a pena conferir.

Quote Favorito

A Espada de Kuromori - Jason Rohan - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

Capa e Diagramação

Como disse no começo da resenha o que mais me chamou a atenção no livro foi a sua linda capa. O menino no centro colorido e os demais personagens de fundo em preto. Ficou muito legal. Meu único problema com ela é que o menino não parece ter quinze anos, daria no máximo dez anos para ele. Na original ele está com o cabelo diferente e também o formato do seu rosto dando um ar mais maduro. Ainda assim, fiquei um pouco tempo a olhando encantada. O nome do autor esta com pequeno destaque, enquanto o nome esta em uma fonte maior em cinza. Ambos têm uma textura diferente das outras imagens.

A Espada de Kuromori - Jason Rohan - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM A Espada de Kuromori - Jason Rohan - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

A diagramação também está bem legal. Os capítulos começam em uma nova página e no número do capítulo tem em forma numérica e também em japonês. Tudo dentro de um círculo preto. As páginas são amarelas e grossas. Não tem sinalização na mudança de cena dentro do mesmo capítulo e algo que me incomodou um pouco foi a falta de sinalização nas palavras em japonês. Tem um glossário no final, porém somente percebi isso quando estava acabando o livro então não ia retornar desde o começo. Sem contar que é incomodo ficar parando a leitura do livro para ir ao final e ver o que significa tal palavra.

Nota da Nathy

A Espada de Kuromori - Jason Rohan - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM A Espada de Kuromori - Jason Rohan - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM A Espada de Kuromori - Jason Rohan - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM A Espada de Kuromori - Jason Rohan - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM A Espada de Kuromori - Jason Rohan - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

Datas de Lançamentos

  • A Espada de Kuromori – Lançado em  2014
  • O Escudo de Kuromori – Não há previsão de lançamento no Brasil

Onde Comprar

  • A Espada de Kuromori – Submarino | Saraiva | Americanas | Martins Fontes  Cultura | Ponto Frio | Extra | Fnac
  • A Espada de Kuromori (E-book) – Amazon | Saraiva | Itunes | Cultura

Promoção

A Espada de Kuromori - Jason Rohan - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

“O livro é uma cortesia da Editora Escarlate. A resenha realizada aponta os pontos positivos e\ou negativos de forma sincera, encontrados pela autora do post durante a leitura do livro. A opinião da autora é pessoal e independente da editora.”

About the Author:

Nathalia Garcia - A Nathy! Tem 26 anos e é formada em Psicologia. Seu maior vício são os livros, ela sempre está se arriscando em um novo desafio literário. Romances policiais são os seus favoritos. Nos últimos anos também se tornou uma apaixonada por séries. Once Upon a Time e Criminal Minds são algumas das suas séries prediletas.

10 Comments

  1. […] leu nossa resenha de A Espada de Kuromori? Não?! Então corre para ler, pois vamos sortear o livro a um dos nossos leitores dia 23 de […]

  2. rayane m. de oliveira 21 de novembro de 2014 at 18:01 - Reply

    desculpa: e “kuromori”.

    bjks

  3. rayane m. de oliveira 21 de novembro de 2014 at 17:58 - Reply

    “a espada de kuromari” parece ser um otimo livro de fantasia. fiquei curiosa p/ conhecer esses bichinhos fofos que vc citou na resenha. a capa esta linda. e valeu pelo toque sobre o grossario no final da leitura.

  4. julielton 17 de novembro de 2014 at 21:15 - Reply

    Eu sou louco pela mitologia japonesa, adoro histórias que tragam onis, kitsunes, bakenekos, tengus e tanukis, acho essa mitologia a melhor e mais diversificada de todas, e desde que soube do lançamento deste livro fiquei alucinado por ele, ainda não adquiri, mas pretendo da-lo a mim mesmo como presente de natal.Sua resenha foi sensacional, um pouco longa (quase desisti) porém valeu a pena.
    Falando novamente da mitologia do livro, você poderia buscar outras fontes além de Teen Wolf, adorei a inserção deles na série, mas ficou muito por cima, como por exemplo, ali a duas especies básicas de kitsunes as boas e as más (nogitsune) porém são treze tipos diferentes.

    Julielton Souza – http://dialeticaproposital.blogspot.com.br/

  5. Denise Sousa 13 de novembro de 2014 at 14:59 - Reply

    Quero conhecer a história do Kenny Blackwood …me parece ser ótima..!
    Ameei esta capa…s2
    Eu adoro livros de fantasia ..então como você disse esse será um prato cheio…!
    Resenha super detalhada…! uma das melhores que já vi…=3

  6. Sarah 12 de novembro de 2014 at 20:22 - Reply

    Primeira vez aqui no blog =] Vim procurando uma trilha sonora e acabei gostando demais, rsrs.

    Muito legal a resenha!!! Nós adoramos cultura oriental aqui em casa e sempre buscamos livros, animes, músicas, qualquer coisa que traga um pouco de lá! O livro me chamou mais atenção por isso, mas depois de ler a resenha fiquei com mais vontade de ler!!! Super legal!

  7. Amanda Pampaloni Pizzi 9 de novembro de 2014 at 19:29 - Reply

    Na primeira vez em que vi este livro, e acredito que não tem nada a ver um com o outro, somente a temática “meio japonesa”, me lembrei da Saga Otori (que eu tenho, mas ainda não li).
    Parece ser uma leitura juvenil interessante. Eu costumo gostar bastante do gênero.
    Bjos.

  8. elizabeth machado de salles 4 de novembro de 2014 at 13:38 - Reply

    Achei a história muito bem elaborada e amei a capa. Chama bastante atenção. Fui cativada pelos comentários e não vejo a hora de poder ler. Ansiosa por viajar nesta história cheia de fantasia. Beijos.

  9. Heldeni da Silva Caneda 3 de novembro de 2014 at 18:11 - Reply

    Gostei da resenha do livro,me despertou o interesse em ler…a estoria parece bem maneira,espero ganhar a promoção ler e sempre muito bom expande os horizontes…!!abçs

  10. Pâmela Benites 3 de novembro de 2014 at 18:09 - Reply

    Que legal a sua resenha, Nathy! Olhando somente a capa eu não me interessaria pelo livro, mas o fato de abordar a Segunda Guerra Mundial me chamou bastante atenção porque é um assunto que me interessa muito!

Os comentários são previamente moderados, mas eles são muito importantes para nós! Então comentem! =)