Sinopse: Sebastian Ballister é o grande e perigoso marquês de Dain, conhecido como lorde Belzebu: um homem com quem nenhuma dama respeitável deseja qualquer tipo de compromisso. Rejeitado pelo pai e humilhado pelos colegas de escola, ele nunca fez sucesso com as mulheres. E, a bem da verdade, está determinado a continuar desfrutando de sua vida depravada e pecadora, livre dos olhares traiçoeiros da conservadora sociedade parisiense. Até que um dia ele conhece Jessica Trent…

Acostumado à repulsa das pessoas, Dain fica confuso ao deparar com aquela mulher tão independente e segura de si. Recém-chegada a Paris, sua única intenção é resgatar o irmão Bertie da má influência do arrogante lorde Belzebu.

Liberal para sua época, Jessica não se deixa abater por escândalos e pelos tabus impostos pela sociedade – muito menos pela ameaça do diabo em pessoa. O que nenhum dos dois poderia imaginar é que esse encontro seria capaz de despertar em Dain sentimentos há muito esquecidos. Tampouco que a inteligência e a virilidade dele pudessem desviar Jessica de seu caminho.

Agora, com ambas as reputações na boca dos fofoqueiros e nas mãos dos apostadores, os dois começam um jogo de gato e rato recheado de intrigas, equívocos, armadilhas, paixões e desejos ardentes. Primeiro Capítulo

Ficha Técnica

O Príncipe dos Canalhas - Loretta Chase - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

Titulo Nacional: O Príncipe dos Canalhas – Skoob

Titulo Original: Lord of Scoundrels  – Goodreads

Autora: Loretta Chase

Tradução: Ivar Panazzolo Junior

Editora: Arqueiro

Ano: 2015

ISBN: 978-85-8041-399-1

Coleção: Scoundrels | Volume: 3

Número de páginas: 288

Sobre a Autora

O Príncipe dos Canalhas - Loretta Chase - #Resenha | OBLOGDAMARI.COMLoretta Lynda Chekani nasceu em 1949 numa família albanesa. Assim que aprendeu a escrever, passou a pôr no papel as histórias que inventava. Formou-se em inglês pela Clark University, onde trabalhou meio período como professora, ao mesmo tempo que escrevia roteiros. Foi quando conheceu um produtor que a inspirou a publicar suas histórias. Os dois acabaram se casando. Com o sobrenome do marido, Loretta Chase vem publicando romances históricos desde 1987, pelos quais ganhou vários prêmios, inclusive o RITA, da Associação Americana de Escritores de Romances, por O príncipe dos canalhas.

Opinião da Mari

Antes de iniciar a leitura já havia visto várias pessoas comentando o quão bom era O Príncipe dos Canalhas. Então iniciei sua leitura e entendi completamente o motivo, o livro é totalmente diferente dos convencionais romances históricos, pelo menos até metade dele. Da metade para o fim, me desconectei totalmente e sofri para finalizar que apesar de boa, acabou me decepcionando.

O livro escrito em terceira pessoa possui uma narrativa regular, os termos utilizados pela autora retratam bem a época, mas não dificultam a leitura. O meu principal problema foi a troca de visões a todo momento. Como o livro é escrito em terceira pessoa, os sentimentos e situações de diversos personagens são narrados ao mesmo tempo, o que para pessoas desatentas, como eu, pode ser um problema (ainda que pequeno).

Contrabalanceando a narrativa temos diálogos incríveis na primeira parte do livro, Jéssica e Lorde Dain os protagonistas tem diversas discussões, onde a tolice dos motivos vistas geralmente é deixada completamente de lado. Isso porque os personagens tem personalidades bem definidas, ambos com gênios bem forte.

– Olhe, segure a sua língua e me escute – avisou ele. – Não sou um dos seus brinquedinhos para ser zombado e humilhado por uma garotinha de meia-tigela que se acha esperta. Não dou a mínima para o que as pessoas veem, pensam ou dizem. Não sou um cavalheiro, Srta. Trent, e não sou gentil. Para o diabo com sua impertinência!

– E eu não sou uma das suas vacas estúpidas! – retrucou ela. – Não sou paga para fazer o que você gosta, e nenhuma lei na Terra me obrigará a agir de tal maneira. Eu digo o que eu quero e, nesse momento, fico muito contente em deixá-lo furioso. Porque é exatamente assim que me sinto. Você arruinou a minha noite. Nada seria melhor do que arruinar a sua, seu brutamontes egoísta, esnobe, estúpido!

E não digo forte do tipo visto na série #OsHathaways ou em Orgulho e Preconceito, onde a protagonista é “bocuda”, mas forte onde a protagonista não se deixa intimidar pelo machismo da época, se mostra inteligente e bate de frente com os personagens sem nem pensar duas vezes. Jéssica é assim, apenas uma das melhores heroínas de romances históricos, que li em muito tempo.

Em contrapartida, Lorde Dain é aquele tipo de personagem que você ama e odeia ao mesmo tempo. Ele é um brutamonte, um canalha que não sabe como tratar uma mulher. Não se envolve com nenhuma mulher de respeito, contrata diversas prostitutas, vive no meio da esbornia um completo canalha. Então ele conhece Jess se redimi e vira um príncipe encantado? Não! Jess realmente muda sua vida e seu passado conturbado faz com que sintamos um pouco de empatia por ele, mas de príncipe ele não tem nada.

Como disse acima, até a primeira parte do livro estava bem envolvida com a história, mas então uma nova trama é introduzida na história e a personalidade dos personagens parece mudar completamente. A atitude de Dain, antes compreensível se torna chata e a forma que ele trata Dominick – um personagem com uma personalidade muito parecida com a dele, me fez duvidar ainda mais de suas pequenas mudanças.

Dain sabia como era sentir-se sozinho, rejeitado, assustado, confuso…

Loretta Chase se refere a Dain a todo o momento com expressões que o ligam ao capeta, para demonstrar o quão perverso ele era e faz o mesmo com Dominick, porém depois de metade da história já estava claro na minha mente como ele era e as expressões também passaram a me incomodar. Assim como a intensidade de amor entre o casal principal.

Lorde Dain não sabe como amar, isso é um fato. Mas sua falta de tato com Jess fez com que eu desacreditasse ainda mais do seu amor pela garota. Pelo menos para mim, suas palavras não foram suficientes. Enfim, achei o desfecho bem arrastado, mas a história finalizou de uma forma bem satisfatória.

Quote Favorito

O Príncipe dos Canalhas - Loretta Chase - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

Capa e Diagramação

Entre as capas internacionais do livro não há dúvidas, a nacional é a mais bonita. Clássica, delicada e romântica, além de simples e objetiva, exatamente como gosto. Diferente da diagramação do livro. Apesar de ter páginas amarelas, os capítulos não iniciam em uma nova página e as fontes são pequenas. O espaçamento ajuda na leitura, mas a falta de detalhes, apesar de não prejudicar a leitura, faz com que a edição do livro seja bem simples. Mesmo padrão adotado nos outros romances históricos publicados pela editora.

O Príncipe dos Canalhas - Loretta Chase - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

Datas de Lançamento

  • The Lion’s Daughter – Scoundrels #1 – Não há previsão de lançamento no Brasil
  • Captives of the Night – Scoundrels #2 – Não há previsão de lançamento no Brasil
  • O Príncipe dos Canalhas – Scoundrels #3 – Lançado em 2015
  • The Last Hellion – Scoundrels #4 – Não há previsão de lançamento no Brasil

Nota da Mari

O Príncipe dos Canalhas - Loretta Chase - #Resenha | OBLOGDAMARI.COMO Príncipe dos Canalhas - Loretta Chase - #Resenha | OBLOGDAMARI.COMO Príncipe dos Canalhas - Loretta Chase - #Resenha | OBLOGDAMARI.COMO Príncipe dos Canalhas - Loretta Chase - #Resenha | OBLOGDAMARI.COMO Príncipe dos Canalhas - Loretta Chase - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

Onde Comprar

“O livro é uma cortesia da Editora Arqueiro. A resenha realizada aponta os pontos positivos e\ou negativos de forma sincera, encontrados pela autora do post durante a leitura do livro. A opinião da autora é pessoal e independente da editora.”