Sinopse: Inspirado na série televisiva The Originals, spin-off de The Vampire Diaries

Desde que Elijah, Rebekah e Klaus Mikaelson aportaram em Nova Orleans, a noite já não é mais a mesma. O trio de vampiros Originais acredita ter encontrado no Novo Mundo um refúgio do passado sombrio que o perseguia, mas a cidade está prestes a sofrer grandes transformações em seu cenário sobrenatural.

Se outrora dividida por uma guerra sangrenta entre bruxos e lobisomens, parece que Nova Orleans encontrará a paz com um casamento entre um membro de cada raça.

 A linda e misteriosa Vivianne Lescheres, bruxa e filha de lobisomem, é a chave dessa aliança, que ameaça a permanên¬cia dos três irmãos vampiros — até então apenas tolerados pelos grupos rivais. Mas o pior acaba acontecendo: a jovem noiva atrai a atenção de Klaus. Completamente seduzido, o mais novo dos Mikaelson não permitirá que nenhum obstáculo se interponha entre ele e a deslumbrante Vivianne. Nem mes¬mo a perspectiva de derramamento de sangue servirá como empecilho à sua tentativa de impedir esse casamento que considera um erro.

Lutando por segurança, um lar e amor, os Originais devem o unir forças para não despertarem a ira de uma rivalidade milenar… ou Nova Orleans mais uma vez se tornará palco para o lendário conflito entre bruxos, vampiros e lobisomens.

Ficha Técnica

The Originals: Ascensão - Julie Plec - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

Titulo Nacional: The Originals: Ascensão – Skoob

Titulo Original: The Originals: The Rise  – Goodreads

Autora: Julia Plec

Tradução: Ryta Vinagre

Editora: Galera (Galera Record)

Ano: 2015

ISBN: 978-85-0110-433-5

Trilogia: The Originals | Volume: 1

Número de páginas: 224

Sobre a Autora

The Originals: Ascensão - Julie Plec - #Resenha | OBLOGDAMARI.COMJulie Plec é a cocriadora e produtora executiva da série Diários do Vampiro e criadora de seu spin-off The Originals. Plec começou sua carreira de roteirista e produtora na série Kyle XY da ABC Family. Também colaborou para a peça The Tomorrow People, da CW. Seu roteiro adaptado para The Tiger’s Course está em desenvolvimento na Paramount, e ela produzirá o longa @emma com a Darko Entertainment. Também trabalhou na produção dos longas Pânico 2 e Pânico 3.

Opinião da Mari

The Originals: Ascensão é um excelente complemento a série de TV no qual o livro foi baseado. Os personagens foram criados em The Vampire Diaries, mas a história é um pre-quel do spin-off The Originals. Ela acompanha a vida dos vampiros originais Klaus, Rebekah e Elijah, nove anos após a chegada deles em Nova Orleans, exatamente o que inicialmente eu gostaria que tivesse acontecido com a série. Como comentei na review de The Vampire Diaries do episódio 4X20: The Originals.

Antes de continuar, gostaria de fazer um adendo: Eu acompanho a série The Originals e por esse motivo, tentei, mas não consegui ver o livro apenas como um livro. Acredito que as pessoas que não assistem a série, possam entender a história, mas acho difícil que gostem dela, tanto quanto, alguém que acompanha o seriado. Pelos motivos que vou explicar a seguir.

Por assistir ao seriado, que já está há dois anos no ar, já conheço bem a história, de modo que ao ser jogada de volta no tempo, não me importei com a falta de informação referente ao que aconteceu com eles para que se mudassem para Nova Orleans. A forma que eles foram criados. Ou até mesmo, porque Mikael os estavam perseguindo. Também não tive dificuldades de visualizar o ambiente da trama, por já tê-lo visto em flashbacks na série. Contudo ainda que algumas pessoas consigam visualizar a história sem problemas, outras podem achar que a autora foi simplista em sua narrativa.

Particularmente, não achei a narrativa de Plec das mais fluídas. E acredito que o principal motivo é o fato da mesma seguir a mesma dinâmica do seriado. A história foi narrada em terceira pessoa, os capítulos eram curtos e intercalavam a trama de cada um dos personagens. Uma narrativa que funciona na tv, mas que dificultou bastante minha leitura. Quando eu começava a me interessar pela história, o capítulo acabava e o ambiente mudava completamente. Acho que se a história dos três livros fosse unificada em um só e apenas um ponto de vista fosse mostrado de cada vez, como Jamie McGuire fez com Belo Desastre e Bela Distração, acredito que teria gostado mais.

Principalmente, porque a história tem um início lento. Seu ápice ocorre quase na metade do livro, mas não chega a realmente empolgar, talvez, nos próximos livros a tensão entre bruxos, vampiros e lobisomens seja maior (ainda que existem neste livro). Como ponto positivo, preciso dizer que o fato de Julia Plec ser a produtora executiva da série, fez com que a trama não tivesse furos. Os personagens são os mesmos, as personalidades são as mesmas e a mitologia é a mesma. Como já gostava de tudo, continuei gostando no livro. Apenas não me apeguei mais a trama, pois imaginava alguns dos desfechos.

Nosso pai nos persegue – explicou ele e as pontas dos dentes dela morderam o lábio inferior e cheio – Ele só descansará quando estivermos mortos. Fugimos para cá e fomos recebidos com suspeita e franca hostilidade. Os bruxos tiveram a generosidade de aceitar nossa presença, mas os lobisomens não fizeram tais concessões. Viram-nos mais como seu inimigo natural, então é assim que os tratamos. 

Para quem nunca viu a série, os vampiros originais são imortais e compostos por cinco membros, Klaus, Rebekah, Elijah, Kol e Finn. Os dois últimos estão vivos, mas empalados, enquanto os três buscam o seu lugar ao sol, em Nova Orleans, onde “atualmente” bruxos e lobisomens ditam as regras. Klaus, o mais velho, é o mais arisco dos três. Com seu jeito mimado, ele não tem limites, principalmente quando luta por poder ou amor.

Rebekah tem uma personalidade forte, mas sempre acaba sofrendo por amor. Mesmo com toda sua força e inteligência, ela sempre acaba se rendendo aos encantos de algum homem. Sem dúvidas uma romântica apaixonada. Já Elijah é o mais centrado dos três. Seu instinto protetor sempre faz com que ele busque a segurança dos irmãos. Um cavalheiro, de caráter inquestionável. Gosto muito do personagem, mas suas passagens na história para mim foram as mais lentas.

Naturalmente Rebekah tinha de se envolver com o único homem que era o mais perigoso para ela. Era o mesmo erro que ela cometia sempre e, toda vez que pensava ter aprendido a escolher com mais sensatez, provava-se equivocada. Era como se seu coração tivesse algum desejo instintivo por infelicidade e dor.

Enfim, o livro é legal. Os fãs da série vão apreciar a leitura e os que ainda não a assistiram, pode ser que se interessem por saber mais dos Mikaelson, recomendo.

Quote Favorito

The Originals: Ascensão - Julie Plec - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

Capa e Diagramação

A história acompanha a vida dos três originais, então acho que o Elijah também deveria estar na capa. Ele não está, paciência. Quanto a Rebekah e Klaus amei a escolha feita e a disposição dos títulos. O resultado final ficou lindo!

The Originals: Ascensão - Julie Plec - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

Quanto a diagramação, o livro possui o formato pequeno, padrão utilizado pela editora. As páginas são amarelas, os capítulos começam sempre em uma nova página, mas não possuem demarcações sinalizando a história de qual personagem está sendo contada. A falta de sinalização não atrapalha a leitura, pois a sequência do início ao fim é sempre a mesma, Klaus, Rebekah e Elijah. A fonte do livro é pequena, se você ler por muitas horas pode fazer com que a leitura se torne cansativa.

Datas de Lançamento

  • The Originals: Ascensão #1 – Lançado em 2015
  • The Originals: The Loss #2 – Não há previsão de lançamento no Brasil
  • The Originals: The Resurrection #3 – Não há previsão de lançamento no Brasil

Nota da Mari

The Originals: Ascensão - Julie Plec - #Resenha | OBLOGDAMARI.COMThe Originals: Ascensão - Julie Plec - #Resenha | OBLOGDAMARI.COMThe Originals: Ascensão - Julie Plec - #Resenha | OBLOGDAMARI.COMThe Originals: Ascensão - Julie Plec - #Resenha | OBLOGDAMARI.COMThe Originals: Ascensão - Julie Plec - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

Onde Comprar

“O livro é uma cortesia da Editora Galera Record. A resenha realizada aponta os pontos positivos e\ou negativos de forma sincera, encontrados pela autora do post durante a leitura do livro. A opinião da autora é pessoal e independente da editora.”