Sinopse: O amor não é uma propriedade de quem sente, é uma transferência total para quem é amado Você que está vendo este livro com dúvida se precisa dele, você não precisa dele, precisa de si, vive caçando uma palavra que confirme o que deseja, está atrás de um escritor que possa lhe recomendar de volta para quem brigou, com capacidade de explicar o que sente e traduzir seus tormentos. Mas já sabe o que deseja, não há como convencer do contrário, os amigos mostraram que seu relacionamento não tem futuro. Não acredita neles, acredita somente no milagre. E como justificar um milagre, ainda mais para quem não tem mais fé? Eu entendo o que está passando: sua raiva, sua amargura, seu cinismo, seu desencanto.

Percebeu que a razão não conforta, que a vingança ou o perdão não ressuscita a tranquilidade, que o fundo do poço nunca se equivale ao nosso fundo. Você parece normal, mas todo mundo deixa de ser normal quando se apaixona e se separa. Se sua expectativa é por uma solução, eu guardo apenas uma certeza que trará alívio mais adiante: você não vai desistir. Quando diz que acabou a relação, é que está procurando um outro jeito de recomeçar.

Ficha Técnica

Para onde vai o amor? - Fabrício Carpinejar - #Resenha | OBLOGDAMARI.COMTitulo Nacional: Para onde vai o amor? – Skoob

Titulo Original: Para onde vai o amor? – Goodreads

Autor: Fabrício Carpinejar

Tradução: Livro Nacional

Editora: Bertrand Brasil (Grupo Editorial Record)

Ano: 2015

ISBN: 978-85-286-2016-0

Número de páginas: 169

Sobre o Autor

Para onde vai o amor? - Fabrício Carpinejar - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

Fabricio Carpinejar, como passou a assinar em 1998 (Caxias do Sul, 23 de outubro de 1972) é um poeta e jornalista brasileiro. Filho dos poetas Carlos Nejar e Maria Carpi, adotou a junção de seus sobrenomes em sua estréia poética, As solas do sol, de 1998. Em 2003 publicou, pela editora Companhia das Letras, a antologia Caixa de sapatos, que lhe conferiu notoriedade nacional. Desde maio, mantém a coluna que antes era ocupada por Moacyr Scliar no jornal Zero Hora. É mestre em Literatura Brasileira pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Opinião da Nathy

Esse não é um tipo de leitura ao qual estou acostumada. Mesmo porque tenho uma certa dificuldade para compreender o que o autor quis dizer com alguma frase. Não nego que tenho essa dificuldade. Por isso muitas vezes fujo desse tipo de leitura. Porém, quando o livro chegou aqui em casa e vi sua capa resolvi arriscar. Achei muito bonita e chamativa. Porém, já estava esperando que seria uma leitura muito difícil. Ainda que tivesse um número pequeno de páginas.

No entanto, eu fiquei surpresa com a facilidade na qual consegui ler o livro. Já na primeira história “Eu te devoto” me encontrei pensando em suas palavras. Porque estavam fazendo completo sentido na minha mente. Algo que não tinha ainda parado para pensar sobre o amor e relacionamentos. Com o livro acabei refletindo muito mais e até mesmo concordando com alguns de seus pensamentos.

Se você tem um homem ou mulher devota, não é apenas sorte, e sim milagre.

Como não é o tipo de leitura na qual estou acostumada algumas histórias ficaram cansativas. Mesmo que no final fizesse completo sentido. Quando estava quase chegando no final eu achei que ficou mais denso. Talvez fosse um livro para ler uma história em cada dia. Não tudo de uma única vez porque senão pode mesmo ser cansativo. Parece ser um livro motivacional. Mas, na verdade te faz pensar nas pequenas coisas que estão ao seu redor.

Não fiquei apenas refletindo sobre os meus relacionamentos, como também das pessoas ao meu redor. E como tudo pode se tornar vicioso de algum jeito. Como realmente as pessoas cometem os mesmos erros e muitas vezes sem nem perceber. Não estou diendo que esse e um livro dono da verdade. Mas, tudo o que li fez completo sentido na minha mente.

Não há loucura maior do que o amor.

Tiveram histórias das quais gostei muito. As primeiras foram uma das melhores. “A Culpa é o meu Crime” me fez refletir e dar boas risadas. Diante da ingenuidade das pessoas quando se trata do amor. As pessoas costumam julgar o relacionamento das outras pessoas sem nem ao menos conviver.

Um livro bem gostoso e reflexivo. Recomendo para todas as pessoas. Vale a pena ler um livro desse e pensar muito sobre sua vida. Ele me fez pensar exatamente da mesma forma que o livro do Nick. As pequenas coisas acabam tomando uma dimensão muito maior.

Quote Favorito

Para onde vai o amor? - Fabrício Carpinejar - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

Capa e Diagramação

Justamente por causa da capa que eu fiquei curiosa com o livro. Tem um coração dividido e um mapa dentro dele. Explicitando bem o nome do livro. Que conseguiu um destaque grande assim como o nome do autor. Muitas vezes a melhor escolha é o simples. Se tivessem colocado muita coisa talvez não tivesse ficado bonita. E nem chamativa. Passa uma tranquilidade no que pode estar escrito. Quanto a diagramação cada história começa em uma nova página. Não tem nada de especial entre elas. As páginas são amarelas e grossas.

Para onde vai o amor? - Fabrício Carpinejar - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

Nota da Nathy

Para onde vai o amor? - Fabrício Carpinejar - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM Para onde vai o amor? - Fabrício Carpinejar - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM Para onde vai o amor? - Fabrício Carpinejar - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM Para onde vai o amor? - Fabrício Carpinejar - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM Para onde vai o amor? - Fabrício Carpinejar - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

Onde Comprar

“O livro é uma cortesia da Editora Grupo Editorial Record. A resenha realizada aponta os pontos positivos e\ou negativos de forma sincera, encontrados pela autora do post durante a leitura do livro. A opinião da autora é pessoal e independente da editora.”