Sinopse: Ela precisava de dinheiro. E nem sabia que gostava tanto de sexo. O fenômeno editorial do ano e best-seller do New York Times, USA Today e Wall Street Journal Mia Saunders precisa de dinheiro. Muito dinheiro. Ela tem um ano para pagar o agiota que está ameaçando a vida de seu pai por causa de uma dívida de jogo. Um milhão de dólares, para ser mais exato. A missão de Mia é simples: trabalhar como acompanhante de luxo na empresa de sua tia e pagar mensalmente a dívida. Um mês em uma nova cidade com um homem rico, com quem ela não precisa transar se não quiser? Dinheiro fácil.

Parte do plano é manter o seu coração selado e os olhos na recompensa. Ao menos era assim que deveria ser. Em fevereiro, Mia vai passar o mês em Seattle com Alec Dubois, um excêntrico artista francês. No papel de musa, ela vai embarcar em uma jornada de descobertas sexuais e lições sobre o amor e a vida que permanecerão com ela para sempre.

Ficha Técnica

A Garota do Calendário: Fevereiro - Audrey Carlan - #Resenha | OBLOGDAMARI.COMTitulo Nacional: A Garota do Calendário: Fevereiro – Skoob

Titulo Original: Calendar Girl: February – Goodreads

Autora(s): Audrey Carlan

Tradução: Andréia Barboza

Editora: Verus Editora (Grupo Editorial Record)

Ano: 2016

ISBN: 978-85-7686-507-0

Série: A Garota do Calendário | Volume: 02

Número de páginas: 130

Sobre a Autora

A Garota do Calendário: Fevereiro - Audrey Carlan - #Resenha | OBLOGDAMARI.COMAudrey Carlan é uma autora best-seller do New York Times, USA Today e do Wall Street Journal. Alguns de seus trabalhos incluem as séries Falling e Calendar Girl (no Brasil, “A Garota do Calendário”, pelo Grupo Editorial Record, sob o selo Verus).

Opinião da Nathy

Assim que terminei A Garota do Calendário: Janeiro já quis ler o segundo volume. Infelizmente não consegui sentir toda a empolgação do primeiro. Ainda que abordasse com mais profundidade os sentimentos da Mia. Eu senti que foi muito mais sexual do que outra coisa. Dessa vez parece que o foco estava completamente no sexo. Então não me agradou. Gosto quando é melhor trabalhado. Quando os sentimentos dela ficam mais em evidência. Inclusive sobre como se sente em relação a sua família. E o peso de sua responsabilidade.

Nesse segundo volume Mia Saunders vai para Seatle. Dessa vez ela conhece Alec Dubois. Um pintor francês que vê a perfeição em cada canto de seu corpo. Acredita que pode ajudar Mia se libertar desse casulo. Mostrando exatamente como se sente em relação a moça. Como um simples toque pode mudar a visão de si própria. Com a ajuda de Alec ela consegue ter contato com pensamentos adormecidos. Com sentimentos que imaginava já ter superado. O único problema é que Mia pode não estar preparada para ter contato com seu passado. Com feridas que ainda estão abertas.

A narrativa continua sendo em primeira pessoa. Com Mia levando o leitor em sua jornada. A escrita da autora continua sendo muito gostosa e divertida. O livro é pequeno e as páginas passam muito rápido. A história é bem trabalhada e desenvolvida. Acaba que não consegue largar o livro até o seu desfecho. Precisando muito saber o que irá acontecer na jornada de Mia. Eu estou ainda mais curiosa depois de ter finalizado o segundo livro.

Cara interessante esse Alec Dubois.

A Mia tem essa personalidade maravilhosa. Porém, em alguns momentos eu acho que ela exagerou. Como questionar o Alec em todas as suas decisões. Afinal, ele já havia explicado o que estava desejando no seu trabalho. Claro que algumas cenas ela estava certa em se impor. Porque nem com ele pagando todo o dinheiro do mundo tinha direito de fazer o que queria. Tem alguns limites. Gosto de como ela consegue controlar o ambiente. Se não deseja fazer algo mesmo que se esforce não fica real. Em outros momentos ela foi muito ingênua. Afinal tudo estava explicado em seu contrato. Sua doce tia já tinha deixado claro todos os pontos.

O Alec tem aquele jeito de artista que vê a beleza em tudo. Consegue seduzir com as suas palavras. Não pensa no dia de amanhã. Apenas nos momentos em que está vivendo com a sua musa. Tem um temperamento forte. Quando não sai do jeito que deseja tem algumas explosões. Até que se acalma e consegue colocar a cabeça no lugar. Mesmo ele sendo muito sedutor e em alguns momentos fofo. Não consegui me conectar com ele. Também não estou desejando que ele seja o homem escolhido por Mia.

Tudo ficou muito no sexual com eles. Desde o primeiro momento em que se encontraram. A Mia parecia que já queria pular na cama com ele. Mesmo somente sabendo o seu nome. Algo que não gostei muito. As cenas são bem quentes entre os dois. Isso não tem como negar. Cada cena ocorria de uma forma diferente e bem sensual. Tem partes bem descritivas. Mas, não achei que ficou vulgar. Foi mais para o lado sensual mesmo. Vou ficar bem frustrada se no final a Mia ficar com ele. Porque na minha visão os dois são compatíveis apenas na cama.

Exatamente como quero que o espectador se sinta.

Algo que gostei bastante e acredito que terá mais profundidade nos próximos volumes. São os sentimentos de Mia com relação ao seu passado. Com o fato de ela e a irmã terem sido abandonadas pela a mãe. Isso é uma ferida muito aberta em Mia. E em algum momento ela precisará encarar isso de frente. Eu acho que seria muito legal colocá-la frente a frente com sua mãe. Não para entender os motivos da mulher. Mas, para ter o encerramento que tanto procura. Para entender que ela não teve culpa em absolutamente nada. A mulher que foi egoísta o suficiente para pensar apenas em si mesma. Gostei da profundidade que teve. Ela conseguiu deixar o coração aberto nesse ponto.

Porém, teve um ponto que me incomodou muito. Ela querendo controlar a vida de sua irmã. Maddy está na faculdade e escolhendo que carreira quer seguir. E Mia deveria apoia-la no que fosse. Porque estaria sendo feliz. Mas, o jeito protetor dela chega a ser sufocante. Em poucas cenas das duas eu me sentia aprisionada. Como a Maddy disse ela precisa aprender com seus erros. Precisa viver a sua vida da forma que acha melhor. Do mesmo jeito que não está falando como a Mia deveria viver a sua. Não é porque é mais velha que ela pode controlar Maddy desse jeito.

Tudo bem. Imagino que seja difícil para você.

Essa série continua sendo muito boa. Mas, recomendo apenas para quem gosta desse estilo literário. Mesmo me surpreendendo não acho que irá atingir outros públicos. Eles devem ser lidos na ordem. Mesmo cada livro seja um cliente diferente pode ter pequenos spoilers.

Quote Favorito

A Garota do Calendário: Fevereiro - Audrey Carlan - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

Capa e Diagramação

A capa segue o padrão do volume anterior. Com um casal na frente, mas sem aparecer seus rostos. Dessa vez o vestido é vermelho e bem brilhante. Em comparação com a primeira capa essa chama mais atenção. Eu acho que o vermelho teve um destaque muito bom no meio da escuridão. Algo muito retratado no livro. O nome do livro tem o seu destaque. E o mês que Mia se encontra está na lateral em vermelho também.

A Garota do Calendário: Fevereiro - Audrey Carlan - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

A diagramação é simples. Cada capítulo começa em uma nova página. Tem uma arte no começo de cada um deles. Do mesmo modo quando ocorre mudança de cena. As páginas são amarelas e grossas. Não tive problemas com a tradução/digitalização.

Nota da Nathy

A Garota do Calendário: Fevereiro - Audrey Carlan - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM A Garota do Calendário: Fevereiro - Audrey Carlan - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM A Garota do Calendário: Fevereiro - Audrey Carlan - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM A Garota do Calendário: Fevereiro - Audrey Carlan - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM A Garota do Calendário: Fevereiro - Audrey Carlan - #Resenha | OBLOGDAMARI.COM

Datas de Lançamentos

O livro é uma cortesia da Grupo Editorial Record. A resenha realizada aponta os pontos positivos eou negativos de forma sincera, encontrados pela autora do post durante a leitura do livro. A opinião da autora é pessoal e independente da editora.