Como não amar a Netflix? Cada dia que passa está trazendo novos programas e muito interessantes. Tem um tempo que eu assisti Ultimate BeastMaster. Mas, ainda não tinha comentado sobre os meus pensamentos do programa. Finalmente tomei coragem e vim expor a minha opinião. Já é de se esperar que eu vou falar muito bem dele. Porque eu fiquei apaixonada pelo estilo dele. Espero que em breve saia uma segunda temporada. Foi muito bem produzido. Tenho apenas uma queixa sobre o programa que comento logo mais.

Já tem um programa nesse mesmo estilo. Inclusive o Rafael Yokota tinha me indicado. Mas, não tinha encontrado um local para assistir. Agora já quero ver mais porque é realmente muito bom. Tem aquela quebra no estilo de programa que estamos acostumados. No entanto, te deixa tensa do começo até o final. Você fica torcendo pelas pessoas não importando seu país. Mesmo que pudesse eliminar um brasileiro. Vale muito a pena assistir e surtar em diversos momentos. Pelo menos foi isso o que aconteceu comigo.

O Programa

O programa consiste em dez episódio ao todo. Nos nove primeiros episódios doze competidores enfrentam obstáculos conhecido como “A Besta” para saber quem será o vencedor. Denominado como BeastMaster. Cada vencedor dos nove episódios irá competir no décimo para saber quem será o vencedor. E desses ele será chamando de Ultimate BeastMaster.

Ao todo são 108 participantes. A cada episódio são selecionados dois participantes de seis países. Sendo eles: Brasil, Alemanha, Japão, México, Coreia do Sul e Estados Unidos. Apenas no último episódio é que a proporção de participantes do mesmo país pode mudar. Tudo depende de quem será o vencedor nos episódios anteriores.

O programa é produzido pelo Sylvester Stallone e David Broome.

Apresentadores

Para não ficar apenas ao jogado temos os apresentadores. Cada país tem o seu representante. No Brasil a narração e torcida ficou por conta de Rafinha Bastos e Anderson Silva. No primeiro episódio eu achei que os dois estavam um pouco travados. O Rafinha até tentava dar uma descontraída. Mas, depois tudo ficou na medida certa. Os dois torcendo eram muito divertidos. Ainda mais quando iam na cabine dos outros comentaristas brincar com eles. Fosse porque um participante deles havia sido derrotado. Ou para comemorar a vitória de algum brasileiro.

Minha única reclamação é que somente dava para assistir com o Rafinha e o Anderson. Ou no outro que lançou com os americanos Terry Crews – que é sensacional – e a Charissa Thompson mas, quase nem tinha comentários deles. Eu queria muito ter visto algum episódio com os coreanos Seo Kyung Sul e Park Kyeong Rim. Porque eles eram muito divertidos. Em alguns momentos apareciam no canto da tela a reação dos outros comentaristas. E eles eram sensacionais. Eu ficava cantando e vibrando junto com eles.

Na Alemanha a narração ficou por conta de Luke Mockridge e Hans Sarpei. Os dois também eram bem engraçados. Apenas quando tinha Rafinha e Anderson brincando com eles. Afinal tudo sempre será o sete a um. Os mexicanos também torciam demais. Tinha a mesma vibração que os brasileiros. Eu adoro ouvir o Luis Ernesto Franco falando porque tinha uma emoção muito grande. Até os japoneses em poucos momentos conseguiam ser divertidos com o Yuji Kondo e a Sayaka Akimoto.

Ultimate BeastMaster - 1ª Temporada - #Review | OBLOGDAMARI.COM

A Besta

Então como funciona a competição, ou melhor, A Besta. Ela é formada por quatro níveis. A dificuldade dos níveis vai aumentando conforme os competidores vão passando. Somente chegará para o próximo nível aquele que tiver pontuações altas. Pois, somente um número limitado de participantes irá passar para a próxima etapa. Caso tenha competidores com o mesmo valor é desempatado com o menor tempo. Os participantes conseguem sua pontuação ao longo do trajeto. Onde podem até mesmo conseguir pontuações extras. Que estão em posições muito perigosas. Pois, se o participante cometer alguma infração está eliminado com a pontuação que conseguia até aquele momento. Somente no nível 3 os participantes podem perder pontuação caso cometam alguma infração.

Ultimate BeastMaster - 1ª Temporada - #Review | OBLOGDAMARI.COM

No Nível 1 todos os doze competidores lutam para ficar no top 8 e seguir em frente. O trajeto consiste em 7 obstáculos. O primeiro deles é o The Jawbreaker onde os competidores têm que atravessar uma série de barras na horizontal. Então seguem para a Mother Tongue em que devem escalar uma parede de 9 metros no ângulo 45º sem nenhuma ajuda. Então eles pulam para uma pequena parede de escalada montada em cima da rampa. Assim subindo até a borda. A Throat Erosion – em alguns episódios ela substitui a Mother Tongue – em que os competidores devem usar um trampolim para conseguir agarrar uma alavanca e assim conseguir chegar na parede de escalada.

Então seguem para o Brain Matter em que tem que cruzar uma fina barra na horizontal. O primeiro ponto extra está localizado em uma parede ao longo dessa barra. Quem passar por ela chega na Faceplant os competidores ficam em uma plataforma segurando em ambos os lados. Até que ela chegue no ângulo de 45º. Então devem pular e agarrar uma corda, algumas vezes de aço, e se mover para o próximo obstáculo. Que não é nenhum um pouco fácil.

Os Energy Coils é uma série de discos suspensos nos ar. Cada um em um nível diferente. O segundo ponto extra está localizado em uma plataforma próxima. O complicado é voltar para o jogo depois de ter conseguido esse ponto extra. Por fim, a Mag Wall. Essa é uma parede de escalada, mas com o diferencial que algumas partes dela vão caindo. Se o competidor não prestar atenção pode acabar caindo. Essa primeira parte pode dar de 60 a 80 pontos ao competidor.

Ultimate BeastMaster - 1ª Temporada - #Review | OBLOGDAMARI.COM

O nível 2 somente o top 8 pode competir e tentar fazer parte do top cinco e então seguir para o próximo nível. Novamente são sete obstáculos que os competidores devem enfrentar. Sendo o primeiro deles a Spinal Ascent – em alguns episódios esse obstáculo foi pulado. Nele os participantes devem completar uma série de saltos verticais, sendo a maior delas 2 metros. Três plataformas estão fixas e duas suspensas.

Em seguida vão para a Spinal Descent onde descem através de um emaranhado de cabos. Um dos pontos extras está localizado no final desse obstáculo. Quem conseguir passar vai para Stomach Churn em que tem três plataformas girando com alturas diferentes. Nenhum um pouco fácil de ultrapassar. Logo seguem para um obstáculo que necessita de muita rapidez. Digestive Track eles devem subir em um tubo antes que ele afunde e saltar para o próximo obstáculo.

No Dreadmills os competidores devem atravessar três esteiras suspensas e pular em uma outra plataforma. Para então chegar até a Chain Reaction. Nesse ponto eles devem se balançar em uma série de correntes penduradas. Onde tem outro ponto extra no meio do caminho. Para chegar no último obstáculo desse nível. A Vertibrace. Onde devem saltar através de uma série de cinco arcos que formam uma vértebra suspensa e saltar para a plataforma final. Cada um dos obstáculos vale 20 pontos então o competidor pode chegar até 180 pontos.

Ultimate BeastMaster - 1ª Temporada - #Review | OBLOGDAMARI.COM

Já no nível 3 apenas dois competidores do cinco tem a chance de ser o BeastMaster. São seis obstáculos, no entanto, o competidor tem a chance de escolher por qual caminho quer seguir. Um que lhe dá mais pontos, no entanto, se cometer alguma infração perde esses pontos. Ou ir pelo caminho mais seguro ganhando seus pontos sem perder nada.

Eles começam no The Ejector os competidores pulam em uma esteira que está indo rapidamente para frente. E devem agarrar uma alça que está suspensa. E assim ir para o próximo obstáculo. O Prim Strike em que devem segurar esse cabo enquanto está balançando em uma pista curva. No meio do caminho tem a chance de conseguir um ponto extra. Em seguida tem o The Coil Crawl nele eles devem ser rápidos e ágeis. Tem que passar através de tubo em correntes antes que afunde na água. No final desse trajeto podem escolher qual caminho vão seguir. Se forem pela direita, o considerado caminho mais fácil, tem somente mais um obstáculo para completar.

O The Extractor na qual devem escalar uma série de varas penduradas para alcançar uma plataforma alta. Agora se eles escolherem ir pela a esquerda, o caminho mais difícil, têm a chance de fazer três obstáculos bônus. O primeiro deles é a Bungee Beds eles devem atravessar três plataformas instáveis. As plataformas podem acabar abaixando muito e o competidor colocar alguma parte do corpo no tapete. Se isso acontecer ele perde pontos e está eliminado. Em seguida vai para a Tricky Trapeze. Nela eles têm que ter impulso para passar por três barras de trapézio. Por fim, chegam em Weapondevem usar alças para deslizar através de dois conjuntos de barras em forma de U. O primeiro conjunto descende para o segundo conjunto. E dessa forma completam o terceiro nível. Nesse ponto podem conseguir até 240 pontos.

Ultimate BeastMaster - 1ª Temporada - #Review | OBLOGDAMARI.COM

E então o 4 e último nível. Na qual somente dois competidores podem tentar ser o BeastMaster. Nele devem escalar uma parede de 2 metros. No entanto, nela tem ainda outros obstáculos. Aquele que conseguir a maior pontuação no tempo determinado ou chegar ao seu final primeiro é o vencedor.

Na parede tem a Foundation onde o local que se apoiam vai diminuindo. Grid Lock, nesse ponto eles tem um espaço ainda menor e mais fino para se segurarem. O que pode dificultar bastante a subida. High Voltage é uma fenda vertical muito estreita. E, por fim, a High Voltage é uma superfície vertical estreita com apenas duas saliências. No final do trajeto tem um ponto extra.

Ultimate BeastMaster - 1ª Temporada - #Review | OBLOGDAMARI.COM

Competidores Favoritos

Tiveram diversos competidores muito bons. Algumas mulheres que mostraram do que eram capazes. Que também podiam enfrentar A Besta como qualquer outro homem. Torci bastante por elas. No entanto, irei falar sobre os meus três competidores favoritos. Porque a postagem já está ficando muito grande. Vou tentar não dar nenhum spoiler sobre quem ganhou os episódios e quem foi o Ultimate BeastMaster porque senão perde a graça. Mas, pode acabar escapando alguma coisa no meio do caminho.

O primeiro que gostei foi o coreano Heeyong Park. Ele mostrou exatamente do que era capaz. Mesmo sentindo muitas dores em diversas partes do corpo. Seguiu em frente em seu objetivo. Não desistia no meio do caminho. E A Besta parecia a coisa mais simples de todas. Pelo modo como passava por alguns dos obstáculos. Fiquei muito satisfeita com o seu desenvolvimento. Em alguns momentos foi um pouco arrogante, no entanto, eu acho que faz parte da competição. Tem que encontrar um modo de desestabilizar os demais competidores.

Ultimate BeastMaster - 1ª Temporada - #Review | OBLOGDAMARI.COM

O outro foi o Felipe Camargo um brasileiro. Até então não estava colocando muita fé nos brasileiros. Não porque fossem ruins. Mas, o nível da competição era bem alto. Atletas que me deixaram muito impressionada. O Felipe foi um deles. Com a sua determinação e psicológico inabalável. Não importava os obstáculos e os demais competidores. Estava bem focado. Não perdia a concentração nem quando o Rafinha dava seus gritos. Porque ao que deu a entender estava bem próximo deles. Ele mostrou que o Brasil tem ótimos atletas e sim deve ser respeitado em qualquer ambiente. Porque tem muita força, garra e determinação.

Ultimate BeastMaster - 1ª Temporada - #Review | OBLOGDAMARI.COM

Eu não pensei que fosse gostar dele porque logo de cara foi bem arrogante. O Simon Brunner é um alemão que colocou o terror no episódio. Também estava bem concentrado. Mas, tinha aquele ar de superior. Vou conseguir vencer e deixar todos no chão. Não gostei muito da sua personalidade em si. Mas, não posso deixar de falar que foi um excelente competidor. Não cheguei a torcer para que ganhasse como fiz com os dois anteriores. Mas, gostei da sua performance.

Ultimate BeastMaster - 1ª Temporada - #Review | OBLOGDAMARI.COM

Sem contar quem ganhou para não estragar a surpresa, mas fiquei muito satisfeita com o resultado final. Agora é esperar e torcer para que tenha uma segunda temporada.